O porquê do caos botafoguense

As tabelas desta coluna se baseiam no paper “7º VALOR DAS MARCAS DOS CLUBES BRASILEIROS”, elaborado pela BDO Brazil e publicado pouco antes da Copa. Tanto o ranking de “Endividamento” quanto o de ”Valor das marcas” tem a consultoria como fonte. As correlações são de autoria do Blog Teoria dos Jogos.

Três meses de salários atrasados, cinco de direitos de imagem. Cem por cento das receitas bloqueadas e uma possibilidade real de debandada. Eis o panorama catastrófico que ronda um dos clubes mais tradicionais do Brasil: o Botafogo de Futebol e Regatas. Tecnicamente, pode parecer similar ao verificado nos demais clubes do Rio de Janeiro. Mas a verdade é que a crise alvinegra se aproxima, sim, do pior que já pode ser visto. Quem diz isto é a capacidade financeira do Botafogo, medida de maneira preocupante pela frieza dos números.

INTRODUÇÃO

De uma maneira geral, pessoas, clubes de futebol ou países podem dever mais do que arrecadam. Pense em alguém que financia um apartamento: É certo que o valor do imóvel representa inúmeras vezes seu ordenado. Isto faz com que o importante sejam as condições com que o empréstimo será tomado (baixa taxa de juros e longo horizonte temporal). O mesmo se aplica a países, onde há casos de dívidas superiores ao próprio PIB.  Em suma: dever é possível, desde que não haja credores batendo à porta.

Este é o problema dos clubes de futebol: boa parte de seus débitos são de médio e curto prazo. Dívidas trabalhistas, por exemplo, fazem com que se recorra à Justiça com vitória relativamente rápida e correções sufocantes. Sendo um péssimo negócio, os clubes historicamente recorreram ao governo – cujos impostos podiam sonegar. Assim surgiram volumosas dívidas de diversas naturezas. Décadas de vistas grossas deseducaram cartolas, até que o montante se tornou tão massivo que algo precisou ser feito.

Onde entra o Botafogo nesta história? Além de ser onde as condições se deterioraram mais rápido – como no caso da exclusão do Ato Trabalhista – o Glorioso é, de longe, o clube com pior capacidade de arcar com seus débitos.

ENDIVIDAMENTO/RECEITA

Uma as formas de se medir a saúde financeira dos clubes é a proporção entre sua dívida (o que tem a pagar) e seu faturamento (arrecadação em uma temporada). No caso brasileiro, o ordenamento é o seguinte:

Fig 01

Detentor da segunda maior dívida, o Botafogo surge apenas como 11ª maior receita. Isto fez com que ele devesse 4,52 vezes o que arrecada num ano, a maior (e pior) proporção do Brasil. A única a chegar perto é a Portuguesa (deve 4,25 o que arrecada), mas o montante alvinegro se encontra em outro patamar. Entre os grandes, Fluminense (3,39) e Vasco (3,25) são os que se aproximam desta caótica situação, escancarando a histórica irresponsabilidade gerencial no Rio. Também prejudicado pelo enorme volume, o Flamengo (2,78) surpreende pela melhor capacidade de arcar com sua dívida – a maior do Brasil em termos absolutos. No extremo oposto, São Paulo (0,69) e Internacional (0,88) navegam em águas tranquilas: devem menos do que arrecadam em uma única temporada.

VALOR DAS MARCAS/ENDIVIDAMENTO

Onde residem as esperanças? Geralmente em refinanciamentos a perder de vista, mas não deveria ser assim. Em tempos de responsabilidade gerencial, a esperança reside na capacidade de alavancar receitas. Com base no valor atribuído a cada marca, calculamos qual seria o potencial gerador de novos negócios por parte dos clubes. Nesta área, a situação do Botafogo não é menos delicada:

Fig 02

Ao contrário da tabela anterior, aqui o “endividamento” se encontra no denominador. Em outras palavras: quanto menor, pior. Adivinhem onde se encontra o Botafogo? Justamente na última posição! Os dados acima significam que a marca alvinegra vale apenas 18% do total devido. Fluminense, Vasco e Atlético-MG também devem mais do que valem suas marcas – e mesmo nesse grupo a situação botafoguense é alarmante. Novamente o Tricolor Paulista surge como um dos mais saudáveis (3,38 vezes mais valioso que sua dívida), agora atrás do Corinthians (5,72), clube em melhor situação do país.

O CAMINHO

Se o endividamento como percentual da receita é alto; se a capacidade de alavancar é baixa, não há escolha além de cortar na carne. O Botafogo precisará, assim, se desfazer de seu patrimônio (inicialmente, jogadores). Mas um elenco avaliado em R$ 90 milhões não seria solução nem com o completo desmanche. Assim, o único caminho passa pela contribuição da torcida.

Sempre fui contra o crowdfunding por considerá-lo prova cabal da incapacidade em gerar receitas oficiais. Mas minha relutância tem limite, e ele é atingido quando o caos beira a falência – ou o abandono do campeonato. Diante do exposto, a torcida do Botafogo tem em mãos uma campanha organizada por um grupo de torcedores bem intencionados, a Botafogo Sem Dívidas (http://www.botafogosemdividas.com.br/). Campanhas geradoras de DARF’s são recomendáveis pela segurança quanto à destinação dos recursos. No caso do Botafogo, a recomendação torna-se vital.

E-mail da coluna: teoriadosjogos@globo.com

Siga @vpaiva_btj

Curtam o blog Teoria dos Jogos no Facebook!

16 comentários sobre “O porquê do caos botafoguense

  1. Muitos falam do Flamengo e de suas dívidas, esse valor de 759 milhões não é o mais atual , já que em 2013 a diretoria pagou cerca de 100 milhôes e para esse ano a previsão é de mais 100 milhôes, você saberia informar a dívida exata do Flamengo Hoje e o valor exato que foi pago até agora? um abraço.

    1. Hj a dívida é maior ainda, o Bandeira de Melo declarou, que a dívida pode ainda ser maior que os 750 milhões, pois os registros anteriores eram inconsistentes, prova disso é a dívida com Bacen de R$ 91 milhões da gestão do KL que nem estava contabilizada

      1. Maior ainda não, houve uma auditoria, apenas a dívida do Banco central é que não foi auditada, já que a dívida é menor e o que o Bacen cobra são os juros, o Grêmio devia 92,8 milhões ao Banco central e quando contestou na justiça esse valor caiu para 1 milhão, o Flamengo até o final de 2014 terá pago desde 2013 200 milhões em dívidas, até porque se não pagar não recebe da Caixa.

          1. R$757,4 milhões era o valor no balanço mais isso é referente início de 2013 sendo que foram pagos 100 milhoes até o final do ano de 2013, no próximo balanço o de 2014 que deve sair em 2015 os valores serão atualizados.

    2. O Flamengo pagou 100 milhões, mas o Banco Central acrescentou 85 milhões à dívida, devido a irregularidades nas transferências de jogadores ainda na época do Kléber Leite, então, pode-se dizer que continua quase a mesma coisa.

      1. A mesma coisa? não fale o que não sabe meu caro, essa dívida que o Banco central cobra está sendo contestada na justiça o valor correto não é esse, o Flamengo de 2013 até o final de 2014 terá pago 200 milhôes em dívidas, ou você acha que esta com esse elenco porque quer, o clube gasta 8 milhôes com a receita por mês, além de um custo de 9 milhôes com folha salarial ( muitos jogadores que não estão no elenco mas recebem do clube esses totalizam 4 milhôes) a folha do atual elenco gira em torno de 5 milhôes.

  2. Acho q vc esqueceu de que os clubes vao ter q pagar os emprestimos com bndes e outros “bancos para pagarem seus estadios casos de corinthians, atletico e inter. Que como nao foram construidas no mesmo modelo do palmeiras e do gremio com parceirias com construtoras. Vao ter de pagar o emprestimo para construçao no caso do corinthians e de reforma no caso de inter e atletico-pr.

  3. Grave situação botafoguense, triste ver um grande clube ser apequenado pelas péssimas direções que passaram. E essa coluna também desvenda que o Engenhão não foi o problema, como alguns falam. Inclusive, se o Bota soubesse explorar melhor o estádio, provavelmente, teria obtido ganho de valor de marca, acredito… ou a questão vai mais além, Vinícius?

    Wanderson, Duque de Caxias-RJ (leitor assíduo da época do ge.com)

  4. Pq não é colocada a divida exata do corinthians?
    O emprestimo pra construir o itaquerão já foi paga?
    O estadio da arena da baixada tbm não é divida?
    O estadio do inter tbm não tem dividas?

    Pq não são colocados como dividas esses emprestimos,que tais clubes fizeram?

  5. A marca do Flamengo já atingiu 1 bilhão de reais segundo própria matéria do Globo Esporte. Esses números precisam ser atualizados, pois a dívida do Corinthians aumentou muito mais do que apresentado pelo blog. Com a construção do Itaquerão, o Corinthians só junto ao BNDES fez uma dívida de 400 milhões. Sem falar nos mais variados empréstimos feitos após o início das obras.

  6. O Fluminense tem um diferencial sobre o Botafogo, pois o valor que recebe da Unimed é uma verdadeira caixa preta, nada a ver com aquilo que o Flu publica no balanço. Calculando assim, por alto, acredita-se que Unimed despeje no caixa do Flu um valor de aproximadamente R$ 70 milhões, isto ultrapassa a metade do que foi publicado.
    Se acrescentarmos aí o dinheiro da Adidas, sócio-torcedor, bilheterias, entre outros, veremos que a receita do Fluminense é muito superior aos R$ 124 milhões publicados.
    Em 1977, para sair do sufoco financeiro, o Botafogo vendeu sua sede para a CVRD, o futebol foi para Marechal Hermes, depois, com a ajuda dos botafoguenses Marcello de Alencar (governador), César Maia (prefeito) e Carlos Augusto Montenegro (presidente do Botafogo), fez-se uma “permuta” que levaram o clube a recuperar General Severiano. Posteriormente, com a ajuda do César Maia, conseguiu, por uma ninharia, arrendar o Engenhão, numa “nova permuta” que faria corar até o pessoal do Consórcio Maracanã. Agora, sem políticos botafoguenses no poder, o que será do Botafogo, hein?

  7. A julgar pelos fatos que estão sendo noticiados , a dívida do Botafogo nesses oito primeiros meses de 2014 deve ter aumentado bastante. Impostos continuam sendo sonegados , salários de jogadores e funcionários atrasados , processos trabalhistas e civeis , os juros do elevado endividamento bancário…
    Me arrisco a dizer que já ultrapassou os 800 milhões mole

Deixe uma resposta