E se a Federação fizesse sua parte?

Após a intensa troca de acusações entre Flamengo, Fluminense e a Federação, eis que o Campeonato Carioca 2015 parece entrar em velocidade de cruzeiro. Não sem as devidas perdas de parte a parte: a FFERJ teve que acatar o preço dos ingressos acima do que gostaria, enquanto o Flamengo acusou a baixa de seu vice-presidente de marketing, Luiz Eduardo Baptista. Mas a polêmica está longe do fim, e agora responde pelo nível de receitas da Federação, incompatível com o prejuízo quase geral entre os participantes.

Em meio a 17 partidas deficitárias (total de 24), o cerne do criticismo se encontra nas taxas. Todos sabem (mas ninguém compreende o porquê) que a FFERJ cobra de seus filiados uma taxa de 10% sobre a bilheteria bruta nos jogos, enquanto a cobrança de praxe em outros estados é de 5%. Se a postura de “preço baixo a todo custo” soa paradoxal – uma vez que impacta sobre o próprio faturamento – a verdade é que taxas tão acima das demais fazem da Federação a líder em receitas do futebol carioca. Vejamos se não.

Com base nos boletins financeiros publicados no próprio site da FFERJ, o Blog Teoria dos Jogos preparou levantamento que mostra o tamanho do lucro/prejuízo de cada partida do Estadual do Rio. E mais: projetamos quais seriam os novos resultados financeiros caso a FFERJ cobrasse a taxa protocolar de 5% sobre o faturamento. O resultado é sintomático:

 

Foram consideradas apenas as contas “Taxa Ferj” dos borderôs
Clique para ampliar. Foram consideradas apenas as contas “Taxa Ferj” dos borderôs

Em primeiro lugar, é bom que se diga que os partidários de Rubens Lopes vem reduzindo a taxa cobrada ao longo do campeonato, ao ponto do percentual médio ficar em 9,69%. Ainda assim é quase o dobro do que deveria, sendo que o impacto desta apropriação não é desprezível. Se a taxa fosse de apenas 5%, a soma dos superávits do Carioca-2015 iria de R$ 300.884,10 para R$ 401.549,35 – um salto de consideráveis 33,4%.

Embora a tabela não apresente o rateio dos clubes em cada partida, fica claro que nenhum deles passa perto de ter arrecadado os R$ 193.042,00 da FFERJ nestas três primeiras rodadas. De fato, apenas o Flamengo jogou sempre no azul até aqui. No extremo oposto, o Vasco da Gama – mentor da política de preços baixos – até agora só chafurdou em prejuízos. Aliás, uma prova do quão pouco se capitaliza neste Carioca é justamente esta: a soma das vinte e quatro bilheterias atinge R$ 2.013.305,00, valor que não supera a receita do clássico entre Palmeiras x Corinthians, pelo Paulistão (R$ 2.646.893,75).

Um grande abraço e saudações!

E-mail da coluna: teoriadosjogos@globo.com

Siga @vpaiva_btj

Curtam o Blog Teoria dos Jogos no Facebook!

Um comentário sobre “E se a Federação fizesse sua parte?

Deixe uma resposta