Onde erra o Botafogo

Fig 01

Há pouco o Botafogo anunciou, com pompa e circunstância, o acerto com cinco empresas cujas marcas serão expostas no uniforme durante os clássicos com Flamengo e Fluminense. O anuncio foi enxergado como um “resgate da credibilidade”, após semanas jogando sem patrocinadores e expondo apenas o projeto “Sou Botafogo”.

A grande questão tem a ver com o naipe das empresas a se associarem ao Glorioso. Duas delas, renomadas, possivelmente sejam as que negociam patrocínio até o fim do ano: Netshoes (mangas) e Casa & Vídeo (costas e barra traseira). O problema são as demais. No peito, Supermercados Unidos, uma pequena rede de atuação quase exclusiva na Baixada Fluminense. A Naveg, ocupante da barra dianteira, comercializa produtos automotivos. Já a Zeex, locatária da omoplata, é tão somente uma varejista online.

As três empresas, corretíssimas ao patrocinarem uma grande marca do futebol brasileiro, devem agora estar abrindo champanhes. Pudera, até poucas horas ninguém fazia a remota ideia de suas áreas de atuação, algo que começa a mudar com explanações como a do parágrafo anterior. O problema reside na escolha feita pelo próprio Botafogo: a que tipo de empresas o Alvinegro pretende se associar?

Todos sabem que a Série B é a maior provação a qual um grande clube pode se submeter no Brasil. A menor visibilidade faz com que receitas de patrocínio desabem, ao cabo que bilheterias tendem a ser menores por conta do produto piorado. Se o clube não subir no primeiro ano, as receitas de televisionamento desmoronam à metade, asfixiando-o à morte. Trata-se de uma situação que ainda não aconteceu com nenhuma das doze grandes torcidas.

Fig 02

Neste contexto, nada mais natural que o “processo de abadalização” dos uniformes. Assim procedeu o Corinthians em 2008, loteando uma quantidade de espaços sem precedentes – incluindo as axilas. Assim o faz o Botafogo, e tem mesmo que fazê-lo. O drama neste caso não possui natureza quantitativa, mas qualitativa. Ainda utilizando o Corinthians como paralelo, o clube à época assinou com a gigantesca Hypermarcas e o mediano Grupo Silvio Santos. No fim, marcas famosas e com alguma identificação com seus consumidores. Mas o Botafogo…

Associando-se a conglomerados nanicos e sem nenhuma identificação com torcedores majoritariamente de classe média, o clube só faz desvalorizar propriedades que, há pouco, se tornaram case ao catapultarem a Viton 44 – proprietária do Guaraviton, Guaravita e Matte Viton (ainda assim uma empresa muito maior do que as atuais). O borrão aumenta quando relembramos a inacreditável parceria botafoguense com a Telexfree, empresa condenada pela justiça brasileira por atuar em esquema de pirâmide, situação flagrantemente ilegal.

É lógico que isto se dá pela situação de penúria dos cofres em General Severiano. Análise do próprio Blog Teoria dos Jogos apontou o Bota como detentor da pior relação receita/dívida do futebol brasileiro. Sem nenhuma capacidade de pagamento, escancara-se uma necessidade visceral de faturar, mas a que custo? Se é pra receber pouco, por que não seduzir grandes marcas com base no menor investimento?

O risco que se incorre é o do encolhimento irreversível da imagem do Botafogo aos olhos do mercado. A partir de então, não haverá resgate de credibilidade capaz de regular o gás deste fogão.

Um grande abraço e saudações!

E-mail da coluna: teoriadosjogos@globo.com

Siga @vpaiva_btj

Curtam o Blog Teoria dos Jogos no Facebook!

 

3 comentários sobre “Onde erra o Botafogo

  1. Lembra um pouco o que aconteceu no Flamengo na gestão da Patrícia Amorim, devido a falta de credibilidade o que restou ao clube em diversos momentos foi vender espaços na camisa para determinados jogos, por vezes para empresas pouco conhecidas, lembro até que a Churrascaria Porcão do Rio de Janeiro fez uma proposta e parte do pagamento, acreditem ou não era em carta convite para refeições gratuitas no estabelecimento, a proposta não foi aceita mas quando esse tipo de coisa começa a acontecer é sinal de que a situação já está bem deteriorada. Acho que a primeira coisa que a diretoria do Botafogo deve tentar entender é o pq de não conseguir patrocínios fixos, algo profissional, aquela velha desculpa de que a crise que o país atravessa é a culpada não cola. Por que o Palmeiras vem fechando contratos milionários e o Botafogo não fecha nem o master ? Lá atrás o Flamengo justificava com termos altamente técnicos e que não pareciam fazer sentido algum, a culpa nunca é dos dirigentes…

  2. Talvez porque quase nenhuma grande marca queira ter seu nome atrelado ao Botafogo, mesmo que por centavos. A verdade é que o Botafogo virou/(está virando) time pequeno, por mais que se tenha a 3ª/4ª maior torcida do RJ, seus torcedores não vão aos jogos, não compram produtos, não aderem ao ST e assistem de camarote ao seu time falir sem nem se importar. Botafogo daqui a alguns anos será tipo o América ou Bangu. Única luz no fim do túnel do Bota é a tal da LRFE, mas mesmo assim, é uma luz do tamanho do número de títulos deles, pequeníssima. Melhor alternativa para eles talvez fosse declarar falência logo, daí voltava como “Botafogo Futebol Clube”, com um escudo moderno e tal, algo que reativasse a paixão dos botafoguenses, talvez assim quem sabe.

    Deixo aqui o meu comentário lúcido, coerente, imparcial e justo – SRN.

  3. uma crítica exagerada. Só isso. Foi a mesma crítica que ouvimos quando fechamos com o Grupo Viton 44. O lado flamenguista do blogueiro foi mais forte aqui, infelizmente. Mas parabéns pela coluna, acompanho sempre.

Deixe uma resposta