A Pesquisa da Vez – Baixada Santista (2011 x 2014 – tabulações inéditas)

Após um longo período se abstendo de divulgar o que o tornou popular, eis que as pesquisas de torcida estão de volta ao Blog Teoria dos Jogos. Como já foi dito em outras ocasiões, estes são estudos que se tornam escassos em anos não-eleitorais. A casa dois anos, e de norte a sul, institutos saem em campo com furor atrás de pesquisas de intenção de voto. Nestes casos, pesquisas de torcida são um mero subproduto acrescentado ao questionário. À pergunta “qual é o seu time”, geram-se tabulações de gênero, idade, renda e escolaridade. Surge então nosso ouro.

Além de não ser eleitoral, o ano de 2015 se notabiliza por uma crise econômica sem precedentes, o que dificulta ainda mais a vida de quem explora pesquisas de qualquer natureza. Por isto, lançaremos mão de uma divulgada ao final de 2014. Trata-se de uma interessante atualização do perfil das massas da Baixada Santista, conforme detalhamento abaixo:

Detalhamento da pesquisa:

Localidade: Baixada Santista (SP)

Instituto: Enfoque (via Jornal Boqueirão)

Amostra: 1452 entrevistados acima de 16 anos, entre 26 de setembro e 01 de outubro de 2014

Margem de erro: 3,5 p.p

Link:  http://www.boqnews.com/esportes/mais-de-um-terco-dos-moradores-da-baixada-torcempara-o-santosfc/

Eis os resultados agregados:

Fig 01

Na comparação com a pesquisa de 2011 (Clique e veja no antigo Blog Teoria dos Jogos do Globoesporte.com), percebe-se claramente o crescimento da torcida do Santos, que saiu de 30,8% para 36,4% – expressivo aumento acima da margem de erro. Isto ampliou a liderança do Peixe sobre um estável Corinthians (de 24% para 23,8%). Em tempos de exponencial crescimento corintiano, avançar sobre eles configura expressivo mérito do alvinegro praiano. Se é verdade que o Corinthians viveu seu ápice no ano de 2012 (conquistando a Libertadores e o Mundial), o contra ataque santista veio com o título continental de 2011 e a geração Neymar (2009-2013).

Entre as torcidas da capital, apenas o São Paulo demonstrou maior queda (de 12,5% para 10,7%) – ainda assim dentro da margem de erro. Já o Palmeiras saiu de 9,2% para 9,6%. O Flamengo – único a superar a marca unitária – atingiu 1,7% das preferências. Quem diria, atrás daqueles que torcem por clubes de fora do Brasil (2,1% do total).

A Baixada Santista constitui região metropolitana de 1,7 milhão de habitantes espalhados por nove cidades. O perfil das torcidas de cada uma delas ficou assim:

Fig 02

Em sua cidade-natal, o Santos atropela a concorrência: 48,4% em Santos, contra 16,4% do Corinthians, 9,1% do Palmeiras e 8,6% do São Paulo. O Peixe é também o maior em cinco das nove cidades da Baixada – perdendo para o Corinthians em Bertioga, Cubatão, Peruíbe e Itanhaém. Nesta última se registra o maior percentual de corintianos da pesquisa (37,9%). O São Paulo é o terceiro maior em cinco das nove cidade, repetindo o ápice em Itanhaém (15,2%). Em duas cidades (Mongaguá e Peruíbe), o Palmeiras empata com o Tricolor. Nas outras duas (Santos e São Vicente) o Verdão é maior.

Mas existe um problema: se o número de 1.452 entrevistas é razoável, o é apenas para a região como um todo. Dentro de cada cidade, o número de questionários se mostra pequeno demais – ou seja, com margem de erro muito alta. Portanto, o que se viu acima deve ser relativizado. E as tabulações seguintes considerarão apenas a Baixada inteira.

Por gênero:

Fig 03

Santos, São Paulo e Palmeiras possuem mais homens em seus quadros, situação oposta à verificada entre corintianos e flamenguistas.

Por idade:

Fig 04

Outro grande mérito: enquanto o Corinthians se encontra relativamente bem distribuído entre faixas etárias (o que também se aplica a São Paulo e Palmeiras), é a torcida do Santos quem verdadeiramente cresce na Baixada. Seus seguidores chegam ao ponto de atingir 45,2% na faixa mais jovem, de 16 a 20 anos.

Por renda:

Fig 05

O Verdão é a verdadeira torcida de elite na região, saindo de 8,5% entre os mais pobres (1 a 2 salários mínimos) para 28,6% na segunda faixa mais rica (10 a 15 salários mínimos). Entre os abastados, o Palmeiras só perde para o Santos, que abocanha 38,1% do total. O empate dos quatro grandes na faixa mais rica (acima de 15 salários) presume pouquíssimos entrevistados, fazendo com que a mesma deva ser desconsiderada.

Um grande abraço e saudações!

E-mail da coluna: teoriadosjogos@globo.com

Siga @vpaiva_btj

Curtam o Blog Teoria dos Jogos no Facebook!

6 comentários sobre “A Pesquisa da Vez – Baixada Santista (2011 x 2014 – tabulações inéditas)

  1. Dizer que não torce pra time do Brasil não significa que torça de fato para times de fora……. e ainda que fosse,não passa de modismo puro. Mais um aspecto que deixa falho estes dados. Pesquisa que vai na onda do modismo televisivo………

  2. Vinicius, uma pequena correção. Quem ganha em Bertioga é o Corinthians, subindo para 4 cidades com maior preferência ao invés de 3 como citado na matéria. Abraço

  3. Supremacia na Baixada mais uma vez constatada.
    Se somar o número de curintianos e são paulinos não chega ao de santistas.
    Em Santos a diferença é esmagadora.

  4. É COMO SEMPRE DIGO, QUEM NÃO TORCE PRO SANTOS NA BAIXADA, É PQ VEIO DE FORA, ESSA É A REAL, QUEM TEM RAIZ DE DÉCADAS É TUDO TORCEDOR DO PEIXÃO !!! NA MINHA RUA, QUEM NÃO É SANTISTA, É PQ NÃO É DE RAIZ, VEIO DO NORTE OU SP.

Deixe uma resposta