Audiências: Champions avança sobre o futebol nacional

Alguns anos atrás, futebol europeu na TV era um luxo dirigido às “elites” (palavrinha da moda), aos detentores de pacotes por assinatura. Até que alguns canais abertos – como Band e Record, cada qual a seu tempo – identificaram o potencial do espetáculo proporcionado pela Champions League, principal torneio interclubes do continente. Passaram, então, a registrar bons índices de audiência. Num paralelo que também ocorreu quanto ao UFC (antes exclusivo da RedeTV), a Globo logo mostrou apetite e comprou os direitos de transmissão.

De início foi até estranho. Inserções ao longo da programação chamavam atenção para clubes como Barcelona, Real Madrid ou Chelsea onde antes só havia Flamengo, Corinthians ou São Paulo. Jornalistas acostumados aos gramados do Maracanã abriam link ao vivo do Santiago Bernabeu ou do Emirates Stadium. Suas reportagens ganharam espaço na concorrida grade do Jornal Nacional.

Hoje, poucos anos após o início deste processo, a verdade é que a Globo não consegue mais se imaginar sem a Liga dos Campeões da Europa. E mais: sorte dos clubes brasileiros a existência do fuso horário. É ele quem faz não haver concorrência entre as competições jogadas lá e aqui.

Explica-se. Na tarde de ontem, Globo e Band transmitiram para todo o Brasil a partida Barcelona x Manchester City, pelas oitavas-de-final da Champions. Seus números consolidados superaram, em termos proporcionais (share), à veiculação dos jogos da Libertadores e Copa do Brasil na mesma noite. Em termos absolutos foram apenas alguns pontos de audiência a menos, algo facilmente explicado pelo menor número de televisores ligados no horário. Vejamos se não:

São Paulo

Barcelona 1 x 0 Manchester City – 15 pontos com 32% de share na Globo. Quatro pontos com 9% de share na Band. AUDIÊNCIA TOTAL: 19 pontos com 41%;

São Paulo x San Lorenzo – AUDIÊNCIA TOTAL: 21 pontos com 36% na Globo.

Rio de Janeiro

Barcelona 1 x 0 Manchester City – 19 pontos com 41% de share na Globo. Dois pontos com 4% de share na Band. AUDIÊNCIA TOTAL: 21 pontos com 45%;

Flamengo x Brasil/RS – 22 pontos com 39% na Globo. Dois pontos com 4% na Band. AUDIÊNCIA TOTAL: 24 pontos com 43%.

Todos sabem que a razão é o futebol bem jogado nos gramados europeus, completa antítese à realidade brasileira. Questões organizacionais e técnicas geram apelo de público muitíssimo maior, fazendo destas partidas um verdadeiro concerto. Mas não é só. O futebol europeu vive o bônus da “democratização”: trata-se de um espetáculo para todos, independente do viés clubístico. Qualquer torcedor se interessa por admirar o talento de Messi, Neymar e cia. Ninguém reclama de um suposto “ excesso de barcelonização” na mídia. Todos os ventos sopram a favor.

Naturalmente, preferências por times europeus são voláteis, se esvaindo a ponto de não poderem ser descritas por nada além de mera simpatia. O chamariz varia ao sabor da fase do clube ou de suas contratações – especificamente de craques brasileiros. No entanto, não se pode desconsiderar a formação de uma nova geração de torcedores reais, especialmente entre os mais jovens. Pesquisa do Blog Teoria dos Jogos na Baixada Santista identificou 2,1% da população local nesta condição.

Rumores dão conta de insatisfações na cúpula da Globo pelas baixas audiências do futebol. Por ora, a reclamação recairia sobre partidas às quartas, as que menos cooptam a audiência do programa anterior (novela das 21 hs). Mas é justamente aos domingos que Brasil e Europa concorrem no horário da tarde. Ainda que mudanças soem distantes, os índices em declínio do futebol brasileiro contrastam com o boom vivido pelo futebol europeu. E como a TV vive de audiências, é bom que nenhum cenário venha a ser desconsiderado no longo prazo.

Um grande abraço e saudações!

E-mail da coluna: teoriadosjogos@globo.com

Siga @vpaiva_btj

Curtam o Blog Teoria dos Jogos no Facebook!

Um comentário sobre “Audiências: Champions avança sobre o futebol nacional

  1. Jogo exclusivo do Corinthians dá audiência histórica à FOX Sports Brasil. Liderança no cabo e segundo entre as tevês abertas. Os bilhões de ‘Murdoch’ e da Time Warner acabam com a farra da Globo. O dinheiro travou o monopólio dado pela Ditadura Militar…

Deixe uma resposta