Arquivos mensais: novembro 2015

Por que o Flamengo não é um Corinthians?

Fig 01

Em fevereiro de 1982 – mês e ano de nascimento deste blogueiro – a revista Placar se saiu com uma de suas capas mais marcantes e polêmicas. Dirigida à época pelo corintianíssimo Juca Kfouri, a publicação questionou o porquê do clube tido e havido como “Flamengo paulista” se encontrar tão abaixo do original. Desestruturado, endividado e com provincianismos de um clube de colônia, o Corinthians chafurdava na Taça de Prata do Brasileirão (equivalente à atual Série B), enquanto o Mais Querido colhia os frutos de sua geração mais vitoriosa – incluindo os títulos da Libertadores e do Mundial, meses antes.

Só que nossa pergunta difere do “por que o Corinthians não é um Flamengo”, de três décadas atrás. A indagação é contrária.

Seria para tanto?

Decerto já houve momentos mais propícios para denotar a reversão de papéis entre os dois gigantes. Um período marcante, por exemplo, foi a temporada de 2005. À época, os do Parque São Jorge, fazendo valer a força de sua marca, atraíram investidores internacionais que culminaram na montagem de um verdadeiro esquadrão. Tal qual há uma semana, atletas de exceção como Tevez e Mascherano deram ao Timão o título Brasileiro daquele ano. Enquanto um Rubro Negro jogado às traças vivia da falta de credibilidade até mesmo para assinar um cheque. Os meses com mais de 90 dias geravam debandadas que fragilizavam o elenco, a ponto de o Flamengo terminar o Carioca na inacreditável oitava colocação. Não só: o time caiu nas oitavas da Copa do Brasil frente ao Ceará, lutando contra o rebaixamento no Brasileiro até as últimas rodadas.

Se hoje as coisas aparentam melhores – ao menos no tocante à catástrofe rubro-negra – por que então a indagação?

A resposta tem origem num panorama novo. Bem administrado após anos de falcatruas, o Flamengo vem fazendo valer seu peso no campo dos negócios. A partir de 2014, o Mengão assumiu a liderança do ranking de receitas e faturamento de marketing, mantendo-se no topo das audiências e das vendas de pay per view. Tais parâmetros, contudo, eclipsam uma intransponibilidade que impede a conversão de cifras em títulos.

Enquanto o Corinthians entra como favorito na maioria das competições, o Flamengo segue na condição de mero figurante em muitas delas – que o diga as duas últimas eliminações na primeira fase da Libertadores. Ao passo que o novo hexacampeão recheia sua sala de troféus, rubro-negros completarão dois anos sem nenhuma conquista.

Novamente: por quê?

Primeiramente, temos a questão da dívida: não basta ter a maior receita se o endividamento também for brutal. Embora a situação do Flamengo tenha melhorado – de inacreditáveis R$ 750 milhões para algo próximo a R$ 450 milhões – não restam dúvidas que a amortização teria apenas tirado o rubro-negro do leito de uma UTI. Longe de ter a “doença” curada, o Fla destina mais de R$ 10 milhões mensais ao pagamento de impostos e passivos diversos. Grosso modo, é como se o Corinthians arcasse com somente metade deste valor. Dinheiro que sobra limpo para investir no que mais importa ao torcedor: a montagem do elenco.

Vote no Blog Teoria dos Jogos no Prêmio Top Blog 2015

Em segundo lugar, uma questão abstrata chamada “cultura vencedora”, inerente aos que historicamente levaram a sério toda a ciranda do futebol, desde a revelação, passando pelas condições de trabalho e culminando na seriedade da busca pelos objetivos. A cultura vencedora está presente não apenas no Corinthians, mas na maioria dos paulistas – o que explica um São Paulo destroçado pelo maior rival e ainda assim dentro do G4. É ela que justifica os gaúchos sempre tão fortes, raramente vistos lutando por algo diferente do título. Em desenvolvimento também nos de Belo Horizonte, esta é a cultura que há décadas falta não só ao Flamengo, mas a todo o futebol carioca. Se neste período beliscaram conquistas, o fizeram pela grandeza das instituições, à revelia da seriedade com que Flamengos patricistas ou Vascos euriquistas trataram a coisa.

Por fim, e é lógico, existe um sem número de outros “detalhes”: infra estrutura (CTs de ponta e estádios próprios, escassos no Rio); credibilidade institucional (que resulta em mais negócios e maiores somas), etc.

Mas o fato é que nem dívida, nem cultura vencedora, nem infra estrutura ou credibilidade, nada se resgata do dia para a noite. Pelo contrário. São conquistas que levam anos, que dependem da implementação de um novo pensamento e da solidificação do profissionalismo. Algo impossível quando diretorias sérias não se sucedem.

Enquanto não germinarem as sementes plantadas pela atual gestão – seja com os atuais ou seus bons concorrentes – os flamenguistas seguirão desprovidos da satisfação de se verem à frente daqueles que, um dia, neles se espelharam. Já que no Corinthians, mesmo aos trancos e barrancos, o processo de resgate se iniciou ainda na década de 90.

O lado bom é que o Flamengo está, sim, no caminho certo. E mesmo diante do caos vivido há tão pouco tempo, em uma coisa ninguém será um Flamengo: na grandeza de sua torcida. Não é pouco, visto que o resgate passará de maneira indelével pelas mãos da Nação.

Um grande abraço e saudações!

E-mail da coluna: teoriadosjogos@globo.com

Siga @vpaiva_btj

Curtam o Blog Teoria dos Jogos no Facebook!

A Pesquisa da Vez: Uberlândia 2015

Localidade: Uberlândia/MG

Instituto: PS Marketing

Amostra: 400 entrevistas, entre 11 e 12 de março de 2015

Margem de erro: 5 p.p

De um tempo para cá, Uberlândia se tornou a cidade brasileira mais frequentemente mapeada no tocante a suas torcidas. Tudo começou em 2008, numa pesquisa elaborada pelo Instituto Veritá e publicada pelo antigo Blog Teoria dos Jogos (do Globoesporte.com). Depois, veio a “era” do instituto PS Marketing. Eles fizeram um estudo em 2011 e outro em 2014, já repercutidos neste espaço. Pouco mais de seis meses depois, voltaram à carga.

Ao contrário dos anos anteriores, desta vez a PS Marketing abriu os recortes por sexo, idade, renda e escolaridade. Mas o que seria boa notícia, infelizmente se tornou motivo de frustração. Tudo por conta da incapacidade do instituto de compilar e analisar suas próprias informações.

Outro esclarecimento importante é que em lugar algum as torcidas se modificam com o passar de meses. Por conta disto, modificações pontuais podem e devem ser atribuídas a movimentos dentro da margem de erro – em se tratando de nada desprezíveis cinco pontos percentuais.

Dito isto, vamos à atualização do perfil da segunda maior cidade do estado de Minas:

Fig 01

O Flamengo nada de braçadas na cidade, apresentando percentual (20%) que representa o dobro da segunda maior torcida, a do Corinthians (10%). Dentro das flutuações de margem de erro descritas, curioso notar que as duas maiores torcidas verificaram quedas idênticas – na casa de três pontos percentuais – desde o ano anterior. O Cruzeiro segue como terceiro maior (8%) e o São Paulo é quarto (7%). Em seguida temos Vasco (6%), Palmeiras (5%), Atlético-MG (4%), Santos (2,5%) e Uberlândia (1,25%). Todas as demais agremiações não ultrapassam a marca unitária. Indivíduos sem time somam importantes 31%.

Por gênero:

Fig 02

Entre os principais consumidores de futebol (indivíduos do sexo masculino) o Flamengo é ainda maior em Uberlândia, monopolizando 22% das preferências. Ainda entre eles, São Paulo e Vasco saltam a 9%, ultrapassando o Cruzeiro (8%) e se equiparando ao próprio Corinthians. O time paulista, aliás, é o único com maioria feminina (10%), algo há muito verificado em nossas análises. Em meio a elas, vascaínas são apenas 2%, um impressionante desequilíbrio de gênero da torcida cruzmaltina. Outro dado importante é a rejeição do futebol entre mulheres em escala duplicada: 42% das uberlandenses do sexo feminino não possuem time, contra 21% dos homens.

Por idade:

Fig 03

Uma das informações mais importantes em análises desta natureza, o perfil das torcidas por faixa etária foi onde a PS Marketing mais pisou na bola – o que denota que nem mesmo pesquisadores sabem lidar com números por eles produzidos. Percebam que na faixa mais jovem, Corinthians e Cruzeiro destoam, cada um com 33% das preferências. Com 17% – exatamente a metade – vem o São Paulo, e só então surge o Flamengo, com 8% (metade da metade). Nas faixas seguintes a coisa muda de figura, com o Flamengo tomando a dianteira inclusive entre jovens. O que teria acontecido?

Vote no Blog Teoria dos Jogos no Prêmio Top Blog 2015

O problema começa pelo número excessivo de faixas, sete, algo demasiado em se tratando de uma pesquisa com baixo número de entrevistados. Se dentro de cada faixa a margem de erro é explosivamente maior, o que dizer do primeiro recorte – que inclui entrevistados com idade entre 16 a 17 anos? Enquanto os demais contemplam toda uma geração, com intervalos de oito a dez anos, pouquíssimos foram ouvidos numa faixa (16-17) que representa cerca de 3% da população brasileira. Assim, é praticamente certo que tenham sido apenas doze indivíduos: quatro corintianos e cruzeirenses, dois são paulinos, um flamenguista e um “nenhum”. Infelizmente, nada se pode auferir num universo tão restrito. E o instituto deveria saber disto.

Analisando as demais faixas, flamenguistas são maioria entre jovens e adultos, mas atingem o ápice (31%) entre 36 a 45 anos – a tão falada “era Zico”. O Corinthians cresce à medida com que rejuvenesce, saindo de 3% em meio a idosos para 14% entre 18 e 25 anos. O Cruzeiro é a segunda maior torcida dos 46 aos 55 anos (12%), o São Paulo é vice de 26 a 35 (14%) e o Palmeiras é terceiro entre 56 e 65 anos (8%). De maneira surpreendente, a supremacia acima dos 65 pertence ao Vasco, com 10% das preferências.

Por escolaridade e classes sociais, mais equívocos:

Fig 04

O instituto não explica a diferença entre Fundamental I e II, assim como não diz qual o nível de renda associado a cada uma das (novamente excessivas) classes sociais. O mesmo erro cometido nas faixas etárias pode ser verificado, já que na classe A1, apenas Flamengo, São Paulo e Nenhum aparecem com citações – denotando outro recorte minimalista.

Podendo se auferir tão pouco, o Blog Teoria dos Jogos espera que o instituto PS Marketing melhore suas análises, sob pena de desperdiçar estatísticas tão valiosas.

Um grande abraço e saudações!

E-mail da coluna: teoriadosjogos@globo.com

Siga @vpaiva_btj

Curtam o Blog Teoria dos Jogos no Facebook!

Públicos do Brasileirão: Corinthians mira o Fla em 2015 e no geral

Sábado passado, o Corinthians viveu novamente uma situação que vem se tornando corriqueira: a quebra do recorde de público em sua arena. Na complicada vitória sobre o Coritiba, foram 43.688 pagantes em Itaquera, proporcionando renda de R$ 2.772.735,50 (ingresso médio: R$ 63). Se a vitória o deixou próximo de erguer a troféu de campeão brasileiro, o total registrado proporcionou a iminência de outro título, este simbólico: o de campeão de público no Brasileirão 2015.

A situação não aconteceria naturalmente, mas como fruto da derrocada do atual líder nas arquibancadas. Desmotivada após a péssima sequência, a torcida do Flamengo deixou de fazer sua parte na vitória sobre o Goiás: apenas 12.634 pagantes compareceram ao Maracanã. Com isto, sua média de público caiu a 33.020 pagantes por jogo, enquanto a do Corinthians se elevou a 32.969. Diferença de meros 51 torcedores.

Sendo assim, é bastante provável que o Timão ultrapasse o Mengão já na 36ª rodada – quando ambos voltam a jogar em casa, A diferença é que o Corinthians jogará ou pelo título, ou para carimbar a faixa de campeão conquistada uma rodada antes. Isto em pleno Majestoso, o confronto diante do São Paulo. Já um Flamengo praticamente sem pretensões medirá forças contra a Ponte Preta, em outra provável tarde de Maracanã vazio.

Vote no Blog Teoria dos Jogos no Prêmio Top Blog 2015

Para o Corinthians, ultrapassar o Flamengo em 2015 faz parte de um projeto maior. Desde o início do Campeonato Brasileiro como o conhecemos (1971), foi o rubro-negro quem ocupou mais vezes a condição de líder de público. Em doze oportunidades, o Fla sobrou nas arquibancadas, enquanto o Corinthians o fez em oito. Nas cabeças em 2015, os paulistas igualariam outro alvinegro, histórico campeão de públicos: o Atlético-MG, nove vezes líder neste quesito.

Fig 01
Fonte: Wikipedia

A grande questão é que, após dominar o cenário na década de 80, quando liderou o ranking por sete anos, a torcida do Flamengo só voltou a se impor no final da década de 2000 – período compreendido entre 2007 e 2009. De lá pra cá foi o Corinthians quem liderou consecutivamente (2010-2012), esboçando seu retorno após uma breve hegemonia cruzeirense.

Maior torcida do maior e mais rico estado brasileiro – e dono de uma arena própria – basta ao Corinthians colocar 919 torcedores a mais do que o Flamengo daqui a duas rodadas. Para o Fla, maior torcida do Brasil, cabe motivar os adeptos sabe-se lá como, igualando os 44 mil torcedores a serem colocados pelos rivais nos dois próximos jogos em casa. Vender mandos de campo não ajudaria, já que além da falta de motivação, são poucas as arenas com capacidade suficiente para o objetivo do Flamengo marcar presença em pleno ano de título brasileiro corintiano.

Assim, pode-se dizer de antemão que o Brasil novamente se curvará diante da festa da Fiel nas arquibancadas.

Ou não?

Um grande abraço e saudações!

E-mail da coluna: teoriadosjogos@globo.com

Siga @vpaiva_btj

Curtam o Blog Teoria dos Jogos no Facebook!