O índice de rejeição das maiores torcidas do Brasil

Ao final da manhã de hoje, o Globoesporte.com trouxe a público nova pesquisa de torcidas de abrangência nacional. O estudo, elaborado pelo instituto Paraná Pesquisas, ouviu 4.066 entrevistados em 214 municípios e 24 estados entre os meses de março e abril de 2016. Trata-se de uma boa amostra, embora a intitulação “pesquisa nacional” só se aplique às que se dispõem a adentrar rincões de todas das 27 unidades federativas. De qualquer maneira, os resultados são praticamente os mesmos. O único fato inédito reside na torcida do Bahia, apontada como 11ª maior com 1,8%, à frente de Botafogo (também 1,8%) e Fluminense (1,6%). Um verdadeiro estranho no ninho das tão consolidadas “doze maiores torcidas”.

Embora a matéria apresente como novidade a mensuração do índice de rejeição das torcidas – através da pergunta “qual time de futebol você mais odeia?” – a verdade é que muitos estudos do gênero já o apresentaram. De qualquer maneira, não deixam de ser informações saborosas e passíveis de um olhar analítico. Se o Flamengo segue como time mais amado do Brasil (16,5%), pertence ao Corinthians o posto de mais odiado (14,6%). Ficam as perguntas: por que isto acontece? O que isto representa?

Para início de conversa, como já dizia o poeta, amor e ódio são duas faces da mesma moeda. Se interpretarmos ao pé da letra, deturparemos o significado destes sentimentos em meio às pesquisas de torcida. Aqui, “odiar” não é um elemento de beligerância e violência entre as torcidas – tanto que vultosos 46,9% dos entrevistados disseram gostar de todas elas. Na verdade este índice traz à tona tão somente a rivalidade que existe entre arquirrivais. Neste sentido, pode-se dizer que ser odiado impacta positivamente, especialmente no tocante às audiências – sejam televisivas ou em quaisquer outras mídias. Portanto, é possível até mesmo capitalizar com a rejeição, fazendo com que o Corinthians leve grande vantagem sobre os demais times do Brasil.

De qualquer maneira, a questão pode ser vista sob outras óticas. Apesar de haver muitas regiões de torcidas misturadas – especialmente envolvendo times paulistas e cariocas – o grosso da rejeição advém daqueles que torcem pelos rivais regionais de um clube. Neste sentido, o “rancor” sobre o Flamengo tem origem nas torcidas de Vasco, Botafogo e Fluminense. A antipatia sobre o Corinthians tem suas raízes nos adeptos de São Paulo, Palmeiras e Santos. De maneira mais simplificada, cruzeirenses e atleticanos se odeiam mutuamente, situação replicada entre gremistas e colorados.

Isto explica o porquê da rejeição tão maior ao Corinthians: a soma de suas torcidas rivais é bem maior do que às do Flamengo, por exemplo. Bom para o Timão, ruim para o Mengão, pois quanto maiores seus adversários locais, mais fortes eles serão – e mais forte você será. Ou os resultados expressivos do futebol paulista nos últimos anos, com títulos da Libertadores e do Mundial, não falam por si? Tudo em detrimento de um futebol carioca que até ganha títulos nacionais, mas não passa disso. Muito de sua sobrevivência se resume à inglória batalha contra o descenso à Série B, tantas vezes perdida.

E se fizéssemos um saldo entre os sentimentos mais nobres e os mais sórdidos? E uma comparação envolvendo a rejeição e a soma dos rivais regionais de cada torcida? Foi o que preparou o Blog Teoria dos Jogos, com resultados interessantes:

Fig 01

A quarta coluna nos mostra que apenas Corinthians e Vasco possuem um saldo líquido negativo entre os que os amam e os odeiam. Significa que, sobre estes dois times, existe mais gente torcendo contra (no popular, “secando”) do que o contrário. Neste caso, bom mesmo é estar no vermelho. Diferente da quinta coluna, que vai na direção oposta. Ela revela que o Flamengo, e só o Flamengo, é odiado por mais gente do que a simples soma de vascaínos, tricolores e botafoguenses. Nas muitas regiões de torcida híbrida, como Minas Gerais, Paraná ou Santa Catarina (entre outras), flamenguistas convivem com parentes cruzeirenses e atleticanos. Dividem bares com corintianos e são paulinos. Estudam com gremistas e colorados. Nestas localidades, o Rubro-Negro é quem mais atrai as atenções das demais torcidas.

Um grande abraço e saudações!

E-mail da coluna: teoriadosjogos@globo.com

Siga @vpaiva_btj

Curtam o Blog Teoria dos Jogos no Facebook!

4 comentários sobre “O índice de rejeição das maiores torcidas do Brasil

  1. “Nada a ver”. Pouco acompanho o futebol paulista, não assisto a mídia paulista e quero que o “cúrintia”, as federações e a CBF explodam, inclusive evito de adquirir produtos das empresas que patrocinam a federação carioca e a CBF.

  2. Acredito que a falta de informação da sua parte, vai além de expectador ou jornalista. Pois pesquise e verás a quanto tempo o Bahia está a frente de times como Fluminense e Botafogo.
    O grande problema é grande preconceito feito com senso comum que os times do Sul, São maiores… puro equívoco.
    Saudações tricolores, A maior do Nordeste e umas mais apaixonadas do Brasil.

Deixe uma resposta