Arquivos mensais: Janeiro 2017

Errata: a verdadeira maior venda da história do Flamengo

Na última quinta postamos coluna sobre as maiores vendas da história do Flamengo,  numa comparação com a dupla Gre-Nal, tradicionalmente boa negociadora de seus ativos. Foram considerados os repasses de Renato Augusto e Jorge, respectivamente a Bayer Leverkusen e Monaco, sendo o meia da Seleção transferido no meio da temporada de 2008 – razão pela qual se fizeram necessárias atualizações cambiais e inflacionárias.

No entanto, visando disponibilizar sempre as informações mais precisas e confiáveis – expediente costumeiro do Blog Teoria dos Jogos – contactamos algumas fontes e apuramos outras negociações envolvendo ex-atletas rubro-negros. Tal investigação nos levou a concluir que a verdadeira maior venda da história do Flamengo não foi nem a de Jorge (como já havíamos refutado), tampouco a de Renato Augusto. Seria a de Sávio, comprado pelo Real Madrid em dezembro de 1997 pela fabulosa soma total de US$ 19.437.500,00, sendo US$ 6.437.500,00 em dinheiro e US$ 13 milhões através dos repasses de 50% dos direitos econômicos de Rodrigo Fabri (avaliados em US$ 5 milhões) e 100% de Zé Roberto – ele mesmo – por US$ 8 milhões. Segue documentação comprobatória:

Isto faria com que o atualizado ranking rubro-negro, ficasse assim:

Clique para ampliar

PS: A cotação do dólar considerada à época da transferência de Sávio foi a de R$ 1,11. O valor da transferência de Jorge foi atualizado para € 9 milhões.

Ou seja: temos que, considerando o valor bruto da negociação (direitos econômicos inclusos) a venda de Sávio foi uma das maiores da história do nosso futebol, superando em muito às da dupla Gre-Nal. Se incluirmos apenas os repasses financeiros, aí a venda de Sávio segue atrás da de Renato Augusto.

Um grande abraço e saudações!

E-mail da coluna: teoriadosjogos@globo.com

Siga @vpaiva_btj

Curtam o blog Teoria dos Jogos no Facebook!

O que representa a venda de Jorge

Numa manhã turbulenta, que começou com a prisão do vice-presidente de futebol do Flamengo, Flávio Godinho, uma segunda bomba eclodiu pelos corredores do Ninho do Urubu – esta, com menor potencial destrutivo. Foi anunciada, de maneira extra oficial, a venda do lateral-esquerdo Jorge – justamente no dia seguinte à sua estreia pela Seleção Brasileira, na vitória do Brasil sobre a Colômbia. Após um período de esquizofrenia midiática, quando o jornal Extra chegou a divulgar a venda por R$ 68 milhões, os valores posteriormente convergiram para uma faixa bastante inferior: segundo o Globoesporte.com, €8,5 milhões (R$ 28,9 milhões). De acordo com o UOL, €8,8 milhões (R$ 29,9 milhões). Certo mesmo é que o Flamengo ficará com 70% da venda, o que equivale a algo entre R$ 20,2 milhões e R$ 20,9 milhões, seguindo as fontes.

Verdade que os valores não deixam de significar uma entrada de recursos em período de montagem de elenco e disputa de Libertadores. Mais do que isto, o retorno do Flamengo às transações de altas somas, pois há anos o clube não movimenta dezenas de milhões numa negociação. É amplamente sabido que, entre os grandes brasileiros, o Flamengo era o que menos arrecadava com a venda de direitos econômicos – uma verdadeira barreira à sua recente entrada no “clube dos endinheirados”. O Palmeiras, por exemplo – possivelmente o primeiro a ultrapassar a barreira dos R$ 500 milhões em receitas em 2016 – só conseguiu a façanha por conta da venda de Gabriel Jesus, um negócio de R$ 121 milhões. De volta à realidade, o orçamento alviverde para 2017 recuou à casa dos R$ 389 milhões.

De qualquer maneira, a venda do lateral por valores muito inferiores ao que se imaginava, além de recheada de lamentações, vem circundada por informações questionáveis e por um retrato do tamanho da histórica incapacidade flamenguista nesta seara.

Pra início de conversa, não se trata da “maior venda da história do Flamengo”, ao menos não sob o ponto de vista europeu – para quem um euro quase sempre valeu um euro. Em julho de 2008, o Fla vendeu o meia Renato Augusto por €10 milhões, o que hoje equivaleria a R$ 34 milhões, mas à época representavam R$ 25 milhões. Os tais R$ 15 milhões propalados pela mídia representam os 60% a que o clube tinha direito na transação, pouco abaixo do verificado agora com Jorge. Sendo assim, sob a ótica do mercado do futebol, Renato Augusto valia €10 milhões em 2008, Jorge vale €8,8 milhões em 2017. Não é preciso dizer que a “melhor venda” de agora se trata de mera questão de taxa de câmbio, sem a devida correção inflacionária.

Mas e pela ótica interna? Expostos a uma inflação galopante, por aqui definitivamente não podemos dizer que um real vale sempre um real. Decidimos, então, comparar o Flamengo a alguns dos melhores vendedores de atletas do futebol brasileiro, Grêmio e Internacional, corrigindo valores históricos pelo IGP-M. O autor do levantamento foi Alexandre Perin, do Blog Almanaque Esportivo, a quem agradecemos a gentileza pela disponibilização:

INTERNACIONAL:

Clique para ampliar

GRÊMIO:

Clique para ampliar

PS: Para a venda de Jorge, foi considerado o valor de €8,8 milhões e a taxa de câmbio de €1 = R$ 3,405036. Caso outros valores divulgados na mídia sejam considerados, a posição no ranking muda.

Temos que a venda de Jorge figuraria apenas na 15ª posição do ranking de melhores negócios da história do Internacional, 12º na comparação com o Grêmio. Há que se considerar, naturalmente, que a posição de lateral não é das mais usuais nesta lista – apenas Mário Fernandes, do Grêmio, aparece à frente da cria da Gávea. De qualquer maneira, dada a idade e a técnica do rubro-negro, era de se esperar algo que envolvesse montantes superiores. Para o bem das próprias finanças do Flamengo, em seu resgate da credibilidade frente ao mercado internacional.

Um grande abraço e saudações!

E-mail da coluna: teoriadosjogos@globo.com

Siga @vpaiva_btj

Curtam o blog Teoria dos Jogos no Facebook!

Carabao: quem é, o que pretende, aonde quer chegar

Fla Carabao

No final do ano passado, veio a informação de que a Carabao Energy Drink – até então desconhecida fabricante tailandesa de bebidas energéticas – patrocinaria o Flamengo com valores e termos inéditos em se tratando do mercado brasileiro. Durante a temporada de 2017 serão R$ 15 milhões anuais pela exploração das mangas do uniforme rubro-negro, passando a R$ 35 milhões a partir de 2018, quando a empresa assumirá o peito e a condição de principal patrocinadora do clube até 2022.

Como não deixaria de ser em se tratando dos flamenguistas, formou-se um tsunami de euforia, otimismo e curiosidade. Torcedores tomaram a web em memes exaltando a Carabao em detrimento de suas principais concorrentes. Gerou-se enorme desejo de consumo no tocante a um produto que ainda sequer aportou no mercado – e sobre o qual, portanto, se desconhecem preços e qualidade. Criou-se uma quase umbilical relação baseada na piada do “nem te conheço e já te considero”. Tudo por uma companhia que só criou perfil oficial no Facebook do Brasil dia 30 de dezembro – concomitante ao anúncio da parceria com o Fla.

Brincadeiras e exageros à parte, é mais do que pertinente questionar não apenas quem é, mas o que pretende e aonde quer chegar a Carabao.

Pra início de conversa, estaríamos diante de alguma aventureira? A princípio, não. Segundo matéria do Meio & Mensagem – de onde foram extraídas algumas das informações aqui processadas – a Carabao é uma empresa fundada em 2002, com maior presença na Ásia e detentora de 17% do market share de energéticos na Tailândia. Com processo de internacionalização iniciado em 2004, o Flamengo não é o maior investimento esportivo da mesma: para a temporada 2017/2018, o conglomerado adquiriu os naming rights da Copa da Liga Inglesa por aproximadamente US$ 12,2 milhões (R$ 38,6 milhões); o patrocínio do uniforme de treino do Chelsea por 10 milhões de libras anuais (R$ 39 milhões); e a condição de patrocinador principal do Reading FC, da segunda divisão da Inglaterra, dispendendo a bagatela de US$ 37 milhões (R$ 117,2 milhões) por temporada.

A grande questão é o tamanho da Carabao em face do volume de seus investimentos. Estima-se que a companhia tenha fechado 2015 com receita próxima aos US$ 225 milhões. Isto faria com que apenas os aportes futuros a EFL Cup, Chelsea, Reading e Flamengo – que somarão cerca de US$ 65 milhões em 2017 – representem mais de um quarto de tudo o que a empresa vem faturando. Fica difícil não comparar tamanha agressividade a um all in por parte da Carabao, algo um tanto preocupante caso ela não atinja suas metas. Bom lembrar que, além dos valores envolvidos, o contrato firmado com o Flamengo foi também exaltado justamente por seu prazo de seis anos, o mais longo entre os principais anunciantes do futebol tupiniquim.

E quais seriam, afinal, as tais metas da Carabao? Uma dica surgiu em matéria publicada pelo Mundo Rubro Negro, quando foi revelado que o contrato dos tailandeses com o Flamengo presume pagamento de R$ 10 milhões adicionais caso ultrapassem a marca das 70 milhões de latinhas vendidas. O bônus iria a incríveis R$ 80 milhões caso a Carabao venha a se tornar líder de mercado durante a vigência do contrato com o clube carioca.

Parece ousado, quase insano, talvez porque realmente seja. Segundo material extraído do portal da revista Exame, em junho de 2016, o mercado brasileiro de bebidas energéticas fechou 2015 com consumo total de 390 milhões de latas e viés de alta próximo aos 15% anuais. Mantida a expectativa, significa que em 2017 serão comercializadas cerca de 515 milhões de unidades. Assim, as 70 milhões de latas necessárias para o Flamengo acionar seu primeiro bônus (de R$ 10 milhões) tornariam a Carabao detentora de 13,6% do mercado – quase o que ela detém em seu próprio país.

Atingida a primeira meta, teríamos os tailandeses na segunda posição no ranking de market share nacional, pois assim seria a estrutura do mercado brasileiro de bebidas energéticas em 2015: Red Bull (43%), Ambev e Coca-Cola (10%), Grupo Petrópolis (8%), Globalbev (5%), Monster (4%), outros (20%). Ou seja, para acionar o segundo bônus (de R$ 80 milhões), a Carabao precisaria ultrapassar a inacreditável barreira das 222 milhões de latas vendidas.

Há uma semana, a página do jornal Extra trouxe ainda mais luz sobre o plano de metas da fabricante asiática. Segundo a publicação, uma das cláusulas do contrato determinaria a venda de 37 milhões de latas até o dia 30 de setembro de 2018, ultrapassando as 40 milhões de 2019 em diante. Tudo sob pena de rompimento de contrato, caso as projeções não sejam atingidas. Nossos cálculos do parágrafo anterior – que tem como base o ano de 2017 – indicam que a Carabao rescindiria seu acordo com o Flamengo caso não atinja 7% do market share no Brasil.

Em se tratando de um mercado tão pulverizado e competitivo, estaríamos praticamente diante de um devaneio. Primeiro porque estima-se que existam mais de cem marcas de energético por aqui. E em segundo lugar, para atingir seus “meros” 8% de market share atuais, o energético TNT, do Grupo Petrópolis, ocupa nada menos que a condição de patrocinador oficial da Scuderia Ferrari de Fórmula-1 há alguns anos. Nem é preciso discorrer a respeito do volume de investimentos da Red Bull no próprio automobilismo, na TV, futebol e em esportes radicais globalmente.

Diante do exposto, temos que a Carabao surge aparentando ser uma empresa jovem, audaciosa e possivelmente bastante alavancada. O que colherá no futuro depende, sobremaneira, do sucesso de suas empreitadas no universo esportivo inglês e brasileiro. Por aqui, e até o momento, seu único representante seria o Clube de Regatas do Flamengo. Nele residiria a esperança de visibilidade oferecida pela instituição, bem como o consumo potencial de sua enorme torcida. Ainda assim, fica difícil acreditar que metas traçadas para cachorros tão grandes sejam facilmente atingidas por touros ainda tão pequenos.

Um grande abraço e saudações!

E-mail da coluna: teoriadosjogos@globo.com

Siga @vpaiva_btj

Curtam o blog Teoria dos Jogos no Facebook!