As razões para o encolhimento do Maracanã

Argentina x Alemanha – Final da Copa do Mundo 2014

De norte a sul, o domingo foi de festa por conta do esperado desfecho dos campeonatos estaduais. Especialmente no Rio, onde um esvaziado campeonato se arrastou por quase três meses, a final nos reservou uma epopeia que apenas um Fla x Flu é capaz de proporcionar. Seguindo roteiro diferente do último embate entre as duas equipes, 22 anos antes, o Flamengo sagrou-se campeão carioca invicto pela sexta vez em sua história.

Em meio a tudo, festa nas arquibancadas: foram 58.399 pagantes, 68.165 presentes e uma renda de R$ 3.242.130,00. Ótimos números para a realidade do futebol atual, uma vez que tivemos o maior público do ano no Brasil. Mas insuficientes para estancar questionamentos que tomam de assalto a cabeça dos torcedores. Se o estádio nunca mais atingirá os 194.063 aficionados do Fla-Flu de 1963, ou mesmo os 120.418 presentes ao clássico do gol de barriga em 1995, por que então o Maracanã não pode alcançar sua capacidade máxima estabelecida, de 78.838 pessoas? Numa final de Copa do Mundo com 74.738 torcedores, onde estariam estes supostos quatro mil lugares?

Decerto, pouco saberemos responder acerca da caixa preta chamada Copa do Mundo. Nada além do fato de, em grandes eventos, posicionamentos de câmera e modificações cerimoniais eliminarem lugares, reduzindo a plenitude de sua capacidade. Mas quanto ao Maracanã do dia-a-dia, tão presente em nosso cotidiano, torna-se quase um dever explicar a razão de tamanhas discrepâncias.

Flamengo x Universidad Católica – Libertadores 2017

Segundo apurações do Blog Teoria dos Jogos, a verdadeira capacidade do Jornalista Mário Filho em 2017 é de 72.285 lugares – eis o que consta no Certificado de Registro, documento emitido pelo Corpo de Bombeiros para autorizar seu funcionamento. Tratam-se de 6.553 lugares a menos do que capacidade máxima. E a razão vem da quantidade de cadeiras quebradas e sem reposição.

Estamos falando de um problema que existe desde o começo das operações da Concessionária Maracanã SA, em 2013. Algo que se intensificou após o Comitê Organizador das Olimpíadas assumir o estádio, devolvendo-o em estado de penúria. Historicamente, o ritmo de cadeiras quebradas foi de 25 por partida, gerando um esvaziamento progressivo ao longo do tempo. Para piorar, a fornecedora dos assentos foi à falência e não existe mais. Por estas e outras, o fato é que em quatro anos, novas cadeiras nunca foram compradas, sendo realizada apenas a manutenção e o remanejamento das que tinham salvação.

Explicado o déficit de lugares, temos um outro problema: as cadeiras cativas. Acreditem ou não, elas foram adquiridas em caráter vitalício à época da construção do Maracanã, em 1950. Atualmente, passam de 5.000, mas por problemas que remetem a heranças, espólios e congêneres, aproximadamente 2.300 se encontram fora de uso e descadastradas pela Suderj (que ainda existe). Em razão das perpétuas inoperantes, chegamos ao número mágico de 69.790 ingressos disponibilizados para o Fla x Flu, segundo seu borderô. Com 1.625 devoluções de cortesias, cativas e gratuidades, atingimos o público presente de 68.165 torcedores ontem.

Espaços vazios no Fla x Flu decisivo do Estadual 2017

Diante deste quadro, não podemos dizer que o Maracanã é sequer o maior estádio do Brasil, uma vez que o Estádio Nacional de Brasília (Mané Garrincha) possui capacidade oficial superior: 72.788 pessoas. Seu maior público, na prática, foi de 69.389 durante os Jogos Olímpicos 2016 – equivalente ao máximo comportado em solo carioca. Além disso, tanto Morumbi quanto Castelão e Mineirão possuem dimensões semelhantes, muitas vezes superando o Mário Filho sob a ótica dos públicos pagantes:

-67.052 é a capacidade total de público do Morumbi desde 2013. Seu recorde recente, 66.369 presentes (58.446 pagantes), se deu em um São Paulo x Cruzeiro válido pela Libertadores 2015;

-63.999 pagantes, o recorde da Arena Castelão, durante a partida Fortaleza x Juventude, pela Série C 2016;

-56.854 pagantes (58.893 presentes) foram ao Mineirão assistir à peleja envolvendo Cruzeiro e Grêmio, pelo Brasileirão 2013.

Nuas e cruas, estas são as verdades sobre as atuais condições do estádio do Maracanã.

Um grande abraço e saudações!

E-mail da coluna: teoriadosjogos@globo.com

Siga @vpaiva_btj

Curtam o blog Teoria dos Jogos no Facebook!

Um comentário sobre “As razões para o encolhimento do Maracanã

  1. Texto brilhante e esclarecedor. Considerando números absolutos é impossível não entender o que acontece.
    Mas levantaria duas questões:
    1 – Com a prática das cargas de ingressos 90/10 o estádio, que foi projetado para 50/50 encolhe mais ainda (vide matéria no Globo de 7/5). Devido a alegações de segurança, há a necessidade de isolamento de acessos e espaçamento entre torcidas. Mas este é um problema que não se resolve dentro do estádio.

    2 – Como uma fornecedora de material exclusivo vai à bancarrota antes mesmo de completar o prazo de garantia do material fornecido? Qual o nome dela? Quem são seus sócios? Qual o plano de contingenciamento que o consórcio fez para isso? Teoricamente a privatização (panaceia de todos os males) deveria tratar um equipamento deste calibre com mais zelo. A não ser que soubesse que se algo acontecesse (como ocorreu), o Estado (pai de todos os males) iria assumir a bucha. Na verdade o que deveria de um asset privado, na verdade pertence à Mãe Joana.

    Saudações

Deixe uma resposta