Arquivo da tag: Atlético-MG

As maiores rendas da história – versão 2016

Na noite de ontem, o Morumbi viveu mais uma jornada de emoções, culminando num resultado nada feliz para o único representante brasileiro na Libertadores. Mas se uma derrota em casa não constava no script, ao menos uma coisa fez os são paulinos se orgulharem: os quase 62 mil pagantes proporcionaram a maior receita de bilheteria da história do clube, recolocando-o no top-10 das maiores rendas. Ranking este que apresenta “novidades novas” e outras um tanto mais antigas, se é que assim podemos dizer:

RANKING EM JOGOS ENTRE CLUBES

1) Atlético-MG 2 x 0 Olímpia-PAR – Mineirão (MG) – 24/07/2013 – Público: 56.557 – Renda:  R$ 14.176.146,00 – Final Libertadores 2013;

2) Flamengo 2 x 0 Atlético-PR – Maracanã (RJ) – 27/11/2013 – Público: 57.991 – Renda: R$ 9.733.785,00 – Final Copa do Brasil 2013;

3) Grêmio 2 x 1 Hamburgo-ALE – Arena do Grêmio (RS) – 08/12/2012 – Público: 46.969 – Renda: R$ 8.599.614,00 – Amistoso de inauguração;

4) Cruzeiro 0 x 1 Atlético-MG – Mineirão (MG) –26/11/2014 – Público: 39.786 – Renda: R$ 7.855.510,00 – Final Copa do Brasil 2014;

5) São Paulo 0 x 2 Atlético Nacional-COL – Morumbi (SP) – 06/07/2016 – Público: 61.766 – Renda: R$ 7.526.480,00 – Semifinal Libertadores 2016;

6) Santos 0 x 0 Flamengo – Mané Garrincha (DF) – 26/05/2013 – Público: 63.501  – Renda: R$ 6.948.710,00 – Brasileirão 2013;

7) Atlético-MG 4 x 3 Lanús-ARG – Mineirão (MG) – 23/07/2014 – Público: 54.786 – Renda: R$  5.732.930,00 – Recopa 2014;

8 ) Palmeiras 2 x 1 Santos – Allianz Parque (SP) – 02/12/205 – Público: 39.660 – Renda: R$ 5.336.631,25 – Final Copa do Brasil 2015;

9) Cruzeiro 3 x 0 Grêmio – Mineirão (MG) – 10/11/2013 – Público: 56.864 – Renda: R$ 5.231.711,00 – Brasileirão 2013;

10) Palmeiras 0 x 2 Sport – Allianz Parque (SP) – 19/11/2014 – Público: 35.939 – Renda: R$ 4.915.885,00 – Brasileirão 2014;

Obs1: Partidas recém incluídas no ranking aparecem em negrito.

Obs2.: Os valores expressam a renda bruta de partidas na história recente do nosso futebol, não sendo corrigidos pela inflação. O objetivo deste levantamento é justamente a comparação intertemporal de valores, evidenciando a majoração dos preços ao longo dos anos 

Muitos podem estranhar a presença da inauguração da Arena do Grêmio entre as maiores. O fato é que apenas recentemente foram divulgados os números da partida contra o Hamburgo, jogada três anos e meio atrás. Valendo-se de uma brutal demanda reprimida em face da nova casa, os gaúchos catapultaram-se à terceira posição no ranking em jogos entre clubes. A derrota do São Paulo, ontem, cravou o quinto posto. E duas partidas do Atlético-MG deixaram a lista das 10 mais. Agora, temos dois jogos do Atlético-MG, Palmeiras, Cruzeiro e Flamengo (considerando-o mandante de fato naquele 0 x 0 contra o Santos em Brasília), além de um do Grêmio e um do São Paulo.

RANKING EM JOGOS DA SELEÇÃO

1) Brasil 1×0 Sérvia – Morumbi (SP) – 6/6/2014 – Público: 63.280 – Renda: R$8.693.940,00 –Amistoso

2) Brasil 2 x 2 Inglaterra – Maracanã (RJ) – 02/06/2013 – Público: 57.280 – Renda: R$ 8.615.730,00 – Amistoso;

3) Brasil 3 x 0 França – Arena do Grêmio (RS) – 09/06/2013 – Público: 51.643 – Renda: 6.833.515,00 – Amistoso;

4) Brasil 2 x 0 México – Allianz Parque (SP) – 07/06/2015 – Público: 34.659 – Renda: R$ 6.737.030,00 – Amistoso;

5)  Brasil 0 x 0 Argentina – Mineirão (MG) – 18/06/2008 – Público: 52.527 – Renda: 6.605.255,00 – Eliminatórias Copa 2010;

6) Brasil 2 x 2 Uruguai – Arena Pernambuco (PE) – 25/03/2016 – Público: 43.898 – Renda: R$ 4.961.890,00 – Eliminatórias Copa 2018;

7)  Brasil 1 x 0 Romênia – Pacaembu (SP) – 07/06/2011 – Público: 30.059 – Renda : R$ 4.357.705,00 – Amistoso;

8 )  Brasil 4 x 2 Chile – Pituaçu (BA) – 09/09/2009 – Público: 30.370 – Renda: R$ 4.350.425,00 – Eliminatórias Copa 2010;

9)  Brasil 2 x 1 Paraguai – Arruda (PE) – 10/06/2009 – Público: 55.252 – Renda: R$ 4.322.555,00 – Eliminatórias Copa 2010;

10)  Brasil 2 x 1 Uruguai – Morumbi (SP) – 21/11/2007 – Público 65.379 – Renda: R$ 4.321.225,00 – Eliminatórias Copa 2010;

Novidade também no ranking envolvendo apenas partidas da Seleção. O empate que complicou o escrete canarinho nas Eliminatórias, diante do Uruguai, no Recife, passou a integrar a sexta posição. Temos agora quatro jogos realizados na cidade de São Paulo (sendo um no longínquo 2007), dois no Recife (a grande surpresa) e um no Rio, Porto Alegre, Belo Horizonte e Salvador. No ranking agregado, à medida com que sobe a “nota de corte”, fica cada vez mais difícil constarem novas partidas:

RANKING AGREGADO (SELEÇÃO + CLUBES)

1) Atlético-MG 2 x 0 Olímpia-PAR – Mineirão (MG) – 24/07/2013 – Público: 56.557 – Renda: R$ 14.176.146,00 – Final Libertadores 2013;

2) Flamengo 2 x 0 Atlético-PR – Maracanã (RJ) – 27/11/2013 – Público: 57.991 – Renda: R$ 9.733.785,00 – Final Copa do Brasil 2013;

3) Brasil 1×0 Sérvia – Morumbi (SP) – 6/6/2014 – Público: 63.280 – Renda: R$ 8.693.940,00 – Amistoso

4)  Brasil 2 x 2 Inglaterra – Maracanã (RJ) – 02/06/2013 – Público: 57.280 – Renda: R$ 8.615.730,00 – Amistoso;

5) Grêmio 2 x 1 Hamburgo-ALE – Arena do Grêmio (RS) – 08/12/2012 – Público: 46.969 – Renda: R$ 8.599.614,00 – Amistoso de inauguração;

6) Cruzeiro 0 x 1 Atlético-MG – Mineirão (MG) –26/11/2014 – Público: 39.786 – Renda: R$ 7.855.510,00 – Final Copa do Brasil 2014;

7) São Paulo 0 x 2 Atlético Nacional-COL – Morumbi (SP) – 06/07/2016 – Público: 61.766 – Renda: R$ 7.526.480,00 – Semifinal Libertadores 2016;

8 )  Santos 0 x 0 Flamengo – Mané Garrincha (DF) – 26/05/2013 – Público: 63.501 – Renda: R$ 6.948.710,00 – Brasileirão 2013;

9)   Brasil 3 x 0 França – Arena Grêmio (RS) – 09/06/2013 – Público: 51.643 – Renda: 6.833.515,00 – Amistoso;

10) Brasil 2 x 0 México – Allianz Parque (SP) – 07/06/2015 – Público: 34.659 – Renda: R$ 6.737.030,00 – Amistoso;

Já os maiores tickets médios da história são o lado mais estático. Ainda assim, a vultosa média da partida do Grêmio (R$ 183) tornou-se integrante, atingindo o 5º posto:

MAIORES TICKETS MÉDIOS DA HISTÓRIA

1) Atlético-MG 2 x 0 Cruzeiro – Independência (MG) – 12/11/2014 – Público: 18.578 – Renda: R$ 4.741.300,00 – Final Copa do Brasil 2014 – Ticket: R$ 255

2) Atlético-MG 2 x 0 Olímpia-PAR – Mineirão (MG) – 24/07/2013 – Público: 56.557 – Renda:  R$ 14.176.146,00 – Final Libertadores 2013 – Ticket: R$ 250; 

3) Cruzeiro 0 x 1 Atlético-MG – Mineirão (MG) –26/11/2014 – Público: 39.786 – Renda: R$ 7.855.510,00 – Final Copa do Brasil 2014 – Ticket: R$ 197

4) Brasil 2 x 0 México – Allianz Parque (SP) – 07/06/2015 – Público: 34.659 – Renda: R$ 6.737.030,00 – Amistoso – Ticket: R$ 194;

5) Grêmio 2 x 1 Hamburgo-ALE – Arena do Grêmio (RS) – 08/12/2012 – Público: 46.969 – Renda: R$ 8.599.614,00 – Amistoso de inauguração – Ticket: R$ 183

6) Flamengo 2 x 0 Atlético-PR – Maracanã (RJ) – 27/11/2013 – Público: 57.991 – Renda: R$ 9.733.785,00 – Final Copa do Brasil 2013 – Ticket: R$ 167;

7) Brasil 2 x 2 Inglaterra – Maracanã (RJ) – 02/06/2013 – Público: 57.280 – Renda: R$ 8.615.730,00 – Amistoso – Ticket: R$ 150;

8 ) Brasil 1 x 0 Romênia – Pacaembu (SP) – 07/06/2011 – Público: 30.059 Renda: R$ 4.357.705,00 – Amistoso–Ticket: R$ 145;

9) Brasil 4 x 2 Chile – Pituaçu (BA) – 09/09/2009 – Público: 30.370  Renda: R$ 4.350.425,00 – Eliminatórias Copa 2010– Ticket: R$ 143; 

10) Brasil 1×0 Sérvia – Morumbi (SP) – 6/6/2014 – Público: 63.280 – Renda: R$8.693.940,00 –Amistoso – Ticket: R$ 137;

Um grande abraço e saudações!

E-mail da coluna: teoriadosjogos@globo.com

Siga @vpaiva_btj

Curtam o blog Teoria dos Jogos no Facebook!

Tamanho não é documento

Não é de hoje que os rankings envolvendo projetos de sócio-torcedor se tornaram uma coqueluche. Fogueira sobre a qual se jogou combustível quando a Ambev, na figura do seu “Movimento por um Futebol Melhor”, passou a disponibilizar seu Torcedômetro. Desde então, a discussão do “meu é maior do que o seu” tomou conta das mesas de bares – reais ou virtuais.

As atualizações mais sofisticadas incluem também os europeus – modo de se auferir os clubes com maior quantidade de sócios do mundo. A última publicação a fazê-lo foi a Máquina do Esporte, a quem pedimos licença para reproduzir o ranking na íntegra:

Fig 01

Mas também não é de hoje que o Blog Teoria dos Jogos alerta para o fato de, no tocante aos projetos associativos, tamanho não ser documento. Foi o que concluímos há dez meses, através da coluna “Sócio-Torcedor: quem fatura mais? Uma análise definitiva”. À época, dissemos que o ticket médio do projeto Nação Rubro-Negra, três vezes superior ao Fiel Torcedor, tornavam necessários 150 mil corintianos para equivalerem ao que o Flamengo arrecadava*. Verdadeiramente, a ótica mais importante.

*Proporção que começa a se aproximar, dados os 132.483 sócios alcançados pelo Corinthians, contra 60.143 do Flamengo (08/03/2016)

Trata-se de uma questão cuja pertinência é comprovada na comparação internacional. Foi o que fez o amigo Benny Kessel, do Blog Balanço da Bola, em coluna publicada no site Mundo Rubro Negro. Em análise sobre o Relatório de Gestão 2014/2015 dos portugueses do Benfica (antigos líderes do “ranking mundial”, atuais terceiros colocados), o colunista descobriu os seguintes elementos:

“– Do total de valores pagos pelos sócios-torcedores do Benfica, apenas 25% são transferidos para o clube;

– O clube obteve como rendimento 2,6 milhões de euros líquidos;

– A receita com sócios-torcedores representa 3% das receitas recorrentes com futebol (não considera venda de direito de atletas).

– Pelas demonstrações contábeis do Flamengo em 2014, do montante arrecadado com STs (R$ 30,4 milhões), o clube fica com R$ 21,9 milhões, ou seja, 75% do total, repassando 25% para a operadora do programa. No Benfica a relação é inversa, 75% para a operadora, 25% para o clube;

– Com o seu programa em 2014, o Flamengo obteve R$ 21,9 milhões de reais líquidos, valor que, em 31/12/2014 correspondia a 6,8 milhões de euros, quase 3 vezes mais do que o obtido pelo Benfica;

– As receitas líquidas do Flamengo representaram 7,7% do total das receitas recorrentes com futebol em 2014, 10,7% se considerarmos as receitas brutas. Bem mais do que os 3% apurados pelo Benfica.”

 De onde concluiu:

“Pelo menos em lucros obtidos com o programa, o Benfica não tem muito a ensinar ao Flamengo.”

Vote no Blog Teoria dos Jogos no prêmio Top Blog 2016!

Nem ao Flamengo, nem a muitos dos nossos gigantes – como Corinthians, Palmeiras, Internacional, Grêmio e Cruzeiro. Todos capitalizando com seus projetos em níveis inéditos, independente da diferença no preço médio ou nos benefícios oferecidos por um ou outro.

Por tudo isto – e apesar dos inúmeros pesares – é pertinente que tratemos nosso recorrente complexo de vira-latas. Há, por aqui, profissionais sérios, capacitados e iniciativas de marketing de sucesso. O desafio é difundi-las a todos os clubes, bem como torná-las sustentáveis. Fugindo das intempéries típicas do universo futebol, como o sucesso apenas nas boas fases.

Um grande abraço e saudações!

E-mail da coluna: teoriadosjogos@globo.com

Siga @vpaiva_btj

Curtam o blog Teoria dos Jogos no Facebook!

O Mapa do Televisionamento dos Estaduais 2016

Alguns anos após introduzir este conceito no cenário econômico e futebolístico, o Blog Teoria dos Jogos retoma seu mapa do televisionamento do estaduais, versão 2016. Trata-se de um levantamento acerca dos estaduais que são veiculados, detalhando para onde e qual percentual do PIB e da população cada um está exposto. Os números se referem apenas à TV aberta e à divisão de praças da Globo, detentora dos direitos de transmissão. A Bandeirantes, emissora licenciada, obedece às regras impostas por aquela, gerando um alinhamento na maioria dos estados.

Antes de trazermos os números, alguns esclarecimentos se fazem necessários. Estamos diante de um levantamento que foi “facilitado” ao longo dos anos, dada a simplificação na distribuição dos estaduais. Anteriormente, praças que não possuíam certames próprios se dividiam entre os do Rio e de São Paulo – com larga vantagem para os primeiros. Nos últimos anos, o Paulistão deixou de ser veiculado para lugares como Tocantins (que se voltou ao Rio), Mato Grosso e Mato Grosso do Sul (estaduais próprios).

Mas as baixas não são exclusividade do Campeonato Paulista. A última “dissidência” verificada se deu em Alagoas, há dois anos, quando o Campeonato Alagoano passou a ser assistido em detrimento do Carioca. Também ocorrem exceções, como no fim de semana em que a Globo Brasília optou por receber o sinal de São Paulo. Ainda assim, a hegemonia do Rio é incomparável: enquanto quinze unidades federativas alinham consigo, o Paulista hoje é visto apenas em seu estado de origem. Equiparando-o a outros onze torneios: Mineiro, Baiano, Gaúcho, Paranaense, Pernambucano, Cearense, Catarinense, Goiano, Alagoano, Mato-Grossense e Sul Mato-Grossense.

Feitas as ressalvas, vamos aos números:

Fig 01

 

Fig 02

Tamanha difusão torna natural a preponderância do Campeonato Carioca Brasil adentro. Somados, os quinze estados que o assistem representam 29,61% da população nacional. Exposto para 44 milhões de pessoas, o Paulistão possui abrangência de 21,72%. Mas o poderio econômico faz com que a balança se reverta a favor de São Paulo sob a ótica do PIB. Semanalmente, as marcas de Corinthians, São Paulo, Palmeiras e Santos são divulgadas para o equivalente a 32,13% do Produto Interno Bruto. Os 60 milhões de brasileiros voltados aos times do Rio representam 27,14% da economia brasileira.

Vote no Blog Teoria dos Jogos no prêmio Top Blog 2016!

Numa comparação entre os dois principais estaduais, percebemos o Paulista com potencial de renda 18% superior ao Carioca. No entanto, há uma semana expusemos que a diferença que a Globo paga por ambos é muito superior. Estima-se que nas negociações pelo Carioca-2017, Flamengo, Vasco, Fluminense e Botafogo possam auferir entre R$ 11 milhões e R$ 12 milhões cada um. O que faria o quarteto carioca assistir aos paulistas embolsarem no mínimo 40% a mais.

Ainda em termos comparativos, viajemos à era pré-Teoria dos Jogos.  Em 2011, descobrimos que este blogueiro já compilara um mapa do televisionamento, publicando-o no blog Olhar Crônico Esportivo, do amigo Emerson Gonçalves. Naquele tempo, o Carioca era veiculado para 30,6% da população (0,99 ponto percentual a mais do que hoje) e 26,97% do PIB. Ou seja, ainda que marginalmente, pode-se dizer que o Estadual do Rio cresceu 0,17 p.p em valor – o que não corre com o Paulista. Nestes cinco anos, os clubes de São Paulo verificaram queda de 3,51 p.p na população e 4,23 p.p no PIB para o qual se expõem. Tratam-se de reduções acentuadas.

Após São Paulo e Rio, a ordem dos estaduais sob a ótica do PIB nos brinda com os Campeonatos Mineiro (9,16%), Paranaense (6,26%), Gaúcho (6,23%), Catarinense (4,03%) e Baiano (3,84%).

Um grande abraço e saudações!

E-mail da coluna: teoriadosjogos@globo.com

Siga @vpaiva_btj

Curtam o blog Teoria dos Jogos no Facebook!

O faroeste envolvendo a Globo e o Esporte Interativo

Fig 01

Todos sabem que a Globo é a maior rede de televisão do Brasil e uma das maiores do mundo. Primando por excelência, além de dominar o entretenimento e o jornalismo, sempre coube a ela ditar as regras no tocante ao televisionamento do futebol. Simplesmente porque nunca teve concorrentes à altura, econômica ou estruturalmente, para sentir-se ameaçada em seu reinado. Assim, esteve nas mãos da Globo a transmissão e exploração do futebol brasileiro em suas diferentes mídias: TV aberta, fechada, pay per view, mobile e internet.

Já o Esporte Interativo é de conhecimento mais recente. Pequeno canal esportivo fundado no Rio de Janeiro, demorou para entrar nas TVs por assinatura pela falta de envergadura ao encarar operadoras, Globosat e os titãs da concorrência (Fox Sports e ESPN) – todos conglomerados internacionais. Clube ao qual adentrou há pouco mais de um ano, ao ser adquirido pela Turner, proprietária das redes CNN, TNT, Cartoon Network, Boomerang e outros.

O Esporte Interativo ficou grande. E passou a encarar a Globo naquilo que ela mais preza. Sendo exclusivamente um canal fechado, ofereceu um caminhão de dinheiro aos clubes pela propriedade. Prometendo rateio à inglesa, citação de naming rights e maior flexibilidade de horários.

A negociação deu errado diante dos clubes de maior torcida: Corinthians, São Paulo, Vasco, Botafogo, Cruzeiro e Atlético-MG fecharam ou tendem a fechar com a Globo. Por outro lado, seduziu Santos, Atlético-PR, Coritiba, Internacional e Bahia. Outros podem vir, aumentando o inédito rompimento da exclusividade global, ao menos no tocante a este ambiente em específico.

O problema é que o embate passou a ser enxergado por boa parte da opinião pública e da mídia “especializada” como um bang-bang. Aqueles antigos filmes de faroeste que opõem claramente o bandido opressor ao mocinho redentor. Clara e respectivamente representados pela vilã Globo e o herói Esporte Interativo.

Não é por aí. Nem um pouco.

Se é correto o conceito de “monopolista” aplicado à Globo nas últimas décadas, ele o seria com base nos princípios schumpeterianos do termo. A emissora foi simplesmente a vencedora, tendo sua primazia construída com base no mérito, em anos de parceria e ótimos serviços prestados. E, sim, nos preceitos de livre mercado! Afinal, na hora H, os concorrentes nunca sustentam a postura inicial de confrontamento a ela.

Tudo, evidentemente, apesar dos pesares. Dos interesses que envolvem as Organizações Globo. Da intransigência em seus princípios comerciais, no engessamento da programação ou nas exageradas exigências quanto à postura “chapa branca” de seus profissionais. Ninguém está aqui para defendê-la.

Ainda assim, não temos uma vilã, mas uma renomada empresa líder de mercado. E até por isto, com muito poder de barganha, condição que todo entrante pequeno e desprestigiado almeja alcançar.

Por outro lado, o Esporte Interativo surge como um sopro de renovação. Injetando recursos – ou fazendo com que a Globo o faça, ao suas cobrir propostas – oferece coisas novas e bacanas. Mas não se enganem, todos aqui possuem interesses e proibições, regra que passa longe de não se aplicar ao canal. Conflitos entre fornecedores e clientes, afinal, sempre transparecem – mas só quando a relação está consumada. Apelar para o emocional ou vender-se como uma espécie incompreendida de Robin Hood não faz o feitio da Time Warner, controladora da Turner. Que nos EUA, de boba nunca teve nada.

Cabe a nós aguardarmos as cenas dos próximos capítulos, na certeza de que a dicotomia já está estabelecida – dado o fechamento de contratos com ambas as emissoras. Aguardemos ainda as futuras rodadas de negociação pelo mais desejado filão, o do televisionamento aberto, que não contará com o Esporte Interativo. Nem por isto são aceitáveis as acusações de fragilização dos clubes perante a futura rodada de conversações. Ninguém sabe como estará o mercado daqui a um ou dois anos.

No mais, entrantes sempre poderão suplantar a Globo – vide a Fox Sports, com os direitos da Copa Libertadores. Basta oferecer mais, oferecer melhor. E convencer os clubes da pertinência da migração. Alguém falou que seria fácil?

Um grande abraço e saudações!

E-mail da coluna: teoriadosjogos@globo.com

Siga @vpaiva_btj

Curtam o blog Teoria dos Jogos no Facebook!

O ranking das cotas de TV – Estaduais 2016

Por conta das negociações com emissoras interessadas na transmissão do Brasileirão, só se fala em cotas de TV. No entanto, existe um torneio totalmente presente em nossas vidas, casas e aparelhos de TV, para o qual pouco nos atentamos. Tratam-se dos estaduais, cujas renegociações também se encontram em pleno vapor, ainda que envolvam cifras menos polpudas e distorções muito mais injustificáveis do que as geralmente apontadas.

Assim como tantas outras receitas de marketing, os valores pagos pelos estaduais não são fáceis de ser descobertos. Primeiro porque, nos balanços patrimoniais, a maioria dos clubes não discrimina as receitas de televisionamento. Eles classificam-nas como “Cotas de TV” numa conta única, sem separar Brasileirão, estaduais e outros torneios. E eles são muitos: Libertadores, Copa do Brasil, Primeira Liga ou amistosos, todos trazem recursos pagos pela televisão.

Enfim: com base em informações veiculadas na mídia, balanços, orçamentos e borderôs (como os da FERJ, que incluem cotas de TV), este seria o ranking dos quatro principais estaduais do país:

Fig 01

Percebam, em primeiro lugar, a discrepância de valores entre estaduais e o Brasileirão. Embora o nacional dure exatamente o dobro de um estadual (seis meses e vinte dias, contra três meses e dez dias do Carioca), a diferença paga chega, em alguns casos, a mais de dez vezes. Isto sem discrepância nas audiências – com leve tendência (acreditem) aos próprios estaduais: em 2015, dezesseis jogos do Paulista registraram média de 18,5 pontos para a Globo (quem paga a conta), enquanto 38 jogos dos clubes de São Paulo bateram 17,9 pontos no Campeonato Brasileiro.

Em segundo lugar, temos a diferença a favor do Paulista em detrimento dos demais torneios. Aí, parte da explicação reside nas rodadas de negociação: em São Paulo, os valores se referem à última leva de assinaturas*, fechada ao final de 2015 e válida pelos próximos anos. Já no Rio e no Rio Grande do Sul, o último ano do antigo contrato é justamente o atual, com conversas possivelmente iniciadas nos próximos meses. Antes do litígio entre Fla, Flu, FERJ e Primeira Liga, estimava-se para os cariocas algo em torno de R$ 11 milhões, que podem cair pela manutenção das incertezas.

*Estima-se que as luvas tenham ficado na casa dos R$ 20 milhões.

Ainda assim, a primazia de Corinthians, São Paulo, Palmeiras e Santos se manterá. Diferente do Brasileirão – quando a Globo equipara Flamengo e Corinthians – pelos estaduais, os times do estado mais rico se beneficiam da robustez de seu mercado. Isto num torneio transmitido apenas para dentro de suas fronteiras, ao contrário do Carioca – veiculado em outras 14 praças.

Em terceiro, verifica-se a total equiparação dos grandes de um mesmo estadual no rateio da grana. A projeção desta equidade distributiva configura um sonho para a maioria dos clubes envolvidos na gritaria contra a suposta “espanholização”. Seguindo critérios de audiência e número de partidas, Flamengo e Corinthians recebem muito mais do que seus pares no Campeonato Brasileiro. Nos estaduais, não.

Um quarto elemento ainda salta aos olhos. Miudezas à parte, os maiores times do Rio recebem igual aos grandes gaúchos e mineiros. E isto não se dá porque a Globo paga o mesmo, mas porque nestes, os clubes de menor investimento pagam a conta. Enquanto no Rio um pequeno desembolsa até R$ 2,5 milhões (em São Paulo, mais de R$ 3 milhões), no Rio Grande não se aufere mais do que R$ 800 mil. Melhor do que em Minas, onde restam míseros R$ 300 mil para cada agremiação.

Enquanto o foco no Brasileirão recai sobre absurdos bem menos inexplicáveis, a verdade é que as cotas de TV nos Estaduais são aquilo que se convencionou por “samba do crioulo doido”.  Valores baixos, distribuição heterodoxa e equiparação de clubes de porte totalmente diferente.

Que o diga a Ponte Preta, faturando quase igual ao Flamengo…

Um grande abraço e saudações!

E-mail da coluna: teoriadosjogos@globo.com

Siga @vpaiva_btj

Curtam o blog Teoria dos Jogos no Facebook!

O ranking das visitações 2015

Atenção: este ranking sofreu modificações após o envio das informações relativas ao Internacional. Clique aqui e confira a coluna “Os números da Visita Colorada (atualização do ranking”. (19/01/2016)

Após um breve recesso de início de ano, o Blog Teoria dos Jogos retorna suas atividades trazendo aquilo que sua audiência mais gosta: ranking comparativos. Desta vez, trataremos de informações inéditas sobre o quantitativo de torcedores recebidos nas diversas modalidades de visitações aos maiores clubes brasileiros.

Não se pode dizer que visitas guiadas sejam alguma novidade, já que sempre existiram nos principais estádios e salas de troféus. Mas é possível entender que, com a modernização da estrutura dos clubes – seja através da construção de arenas ou centros de treinamentos de ponta – este filão vem se mostrando cada vez mais rentável e atrativo. Tanto que hoje, em muitos casos a exploração se dá por meio de empresas terceirizadas e especializadas na atividade, caso da Futebol Tour.

Elaborar um ranking das visitações é algo passível de injustiças devido à enorme heterogeneidade que envolve as diferentes estruturas. Alguns possuem estádio próprio, outros não – e nem todos são proprietários de uma arena modernizada. O mesmo se aplica aos centros de treinamento, já que existem casos de equipes que treinam no próprio estádio devido à ausência de um CT. Salas de troféus são algo comum a todos, enquanto museus ainda são raridade. Por fim, existem modelos que mesclam todas as modalidades, como salas de troféus dentro de uma arena.

Em meio às diferenças de apelo e chamarizes, procuramos classificar o tipo de visita promovida pelos doze maiores clubes do Brasil – mas Internacional, Santos e São Paulo infelizmente não nos responderam. O resultado foi o seguinte:

Fig 01
Clique para ampliar

*Os números de Fluminense e Botafogo se referem apenas ao final de 2015 (meio de novembro em diante)

Conforme já havia sido noticiado pela mídia, a grande campeã na temporada 2015 foi a Arena do Grêmio. Apesar de excelente, o número de 50 mil visitantes equivale ao total de pessoas recebidas pelo Maracanã em apenas um mês*. Segundo a Futebol Tour, que administra a visita à arena tricolor, apenas entre os dias 26 e 27/12 e 02 e 03/01/2016 (números não computados), 2,5 mil pessoas passaram pela Arena, um recorde.

*Informação corrigida

A segunda colocação (bem próximo do líder) ficou com o Tour do Allianz Parque, lar do Palmeiras. A vantagem alviverde é que as visitas só começaram no mês de março de 2015, o que presume uma média mensal quase igual à do Grêmio. Segundo a Futebol Tour, que também organiza o passeio palmeirense, o mês de julho foi o grande destaque, quando os ídolos Marcos, Ademir da Guia e Evair chegaram a atuar como “guias”. Com tantos atrativos, 8 mil visitantes passaram pela arena naquele mês. A expectativa é de que o número seja ainda maior em 2016, quando o Palmeiras disputa a Copa Libertadores e planeja novas ações com ídolos do clube.

O clube que completa a trindade administrada pela Futebol Tour é o Flamengo, no terceiro posto. O rubro-negro, por meio de sua Fla Experience, constitui o caso mais bem sucedido de visitas que não passam por um estádio – trata-se de uma sala de troféus com características híbridas às de um museu. Julho também foi mês de recorde, quando 2 mil pessoas passaram pelos salões do clube.  A seção interativa está se planejando de maneira especial para receber os turistas durante os Jogos Olímpicos Rio-2016.

As visitas à Cidade do Galo são exclusividade dos integrantes do programa “Galo na Veia”. Segundo o diretor de Comunicação do Atlético, Domênico Bhering, do total de cinco mil visitantes em 2015, três mil foram associados do projeto; outros mil vieram de escolas e instituições, além de mil conselheiros e seus familiares.

A partir de então, surgem os modestos números de Fluminense, Cruzeiro e Botafogo. Parte da explicação recai sobre o recorte limitado das informações referentes aos cariocas (apenas a partir de novembro), embora nossa apuração dê conta de que a média mensal de ambos pouco ultrapassasse os 400 visitantes. Já o Cruzeiro só organizou doze visitas VIP à Toca da Raposa, média uma por mês.

Por fim, para Corinthians e Vasco não houve visitações ao longo do ano de 2015. Para o primeiro, uma questão de tempo, dado o projeto já em processo de implementação. No caso do Vasco, como sempre, estamos diante de uma incógnita – posto que as visitas eram objeto de estudo por parte da diretoria de marketing afastada ao final da temporada.

E-mail da coluna: teoriadosjogos@globo.com

Siga @vpaiva_btj

Curtam o Blog Teoria dos Jogos no Facebook!

As maiores rendas da história – atualização final 2015

Finda outra temporada, o Blog Teoria dos Jogos apresenta mais uma atualização deste que é um dos rankings mais copiados (sem a devida citação) entre portais e blogs esportivos. Não foram poucas as vezes em que grandes veículos o apresentaram como se resultante de apuração própria – mas no mesmíssimo formato e ordenamento de parâmetros. Recusem imitações, prestigiem o original.

Dito isto, segue o ranking das maiores rendas da história do futebol brasileiro, comentado após cada um de seus recortes. Inicialmente, o ordenamento interclubes:

RANKING EM JOGOS ENTRE CLUBES

1) Atlético-MG 2 x 0 Olímpia – Mineirão (MG) – 24/07/2013 – Público: 56.557 – Renda:  R$ 14.176.146,00 – Final Libertadores 2013;

2) Flamengo 2 x 0 Atlético-PR – Maracanã (RJ) – 27/11/2013 – Público: 57.991 – Renda: R$ 9.733.785,00 – Final Copa do Brasil 2013;

3) Cruzeiro 0 x 1 Atlético-MG – Mineirão (MG) –26/11/2014 – Público: 39.786 – Renda: R$ 7.855.510,00 – Final Copa do Brasil 2014;

4) Santos 0 x 0 Flamengo – Mané Garrincha (DF) – 26/05/2013 – Público: 63.501  – Renda: R$ 6.948.710,00 – Brasileirão 2013;

5) Atlético-MG 4 x 3 Lanús – Mineirão (MG) – 23/07/2014 – Público: 54.786 – Renda: R$  5.732.930,00 – Recopa 2014;

6) Palmeiras 2 x 1 Santos – Allianz Parque (SP) – 02/12/205 – Público: 39.660 – Renda: R$ 5.336.631,25 – Final Copa do Brasil 2015;

7) Cruzeiro 3 x 0 Grêmio – Mineirão (MG) – 10/11/2013 – Público: 56.864 – Renda: R$ 5.231.711,00 – Brasileirão 2013;

8 ) Palmeiras 0 x 2 Sport – Allianz Parque (SP) – 19/11/2014 – Público: 35.939 – Renda: R$ 4.915.885,00 – Brasileirão 2014;

9) Atlético-MG 2 x 0 Cruzeiro – Independência (MG) – 12/11/2014 – Público: 18.578 – Renda: R$ 4.741.300,00 – Final Copa do Brasil 2014;

10) Atlético-MG 4 x 1 Flamengo – Mineirão (MG) – 05/11/2014 – Público: 41.352 – Renda: R$ 4.615.660,00 – Semifinal Copa do Brasil 2014;

Obs1: Partidas recém incluídas no ranking aparecem em negrito.

Obs2.: Os valores expressam a renda bruta de partidas na história recente do nosso futebol, não sendo corrigidos pela inflação. O objetivo deste levantamento é justamente a comparação intertemporal de valores, evidenciando a majoração dos preços ao longo dos anos 

Desde nossa última atualização, em junho, apenas a final da Copa do Brasil, entre Palmeiras e Santos, adentrou este ranking de modificação cada vez mais difícil. A inclusão do jogo do título palmeirense consolidou ainda três elementos importantíssimos:

1- A primazia das arenas sobre os antigos estádios. A partida excluída do ranking – agora, ocupante do 11º posto – era justamente a única jogada fora de uma arena. Trata-se da semifinal da Libertadores de 2010, entre São Paulo e Internacional, no Morumbi. Agora, as dez maiores rendas do futebol brasileiro se deram de 2013 para cá. Todas, em arenas de Copa do Mundo ou equivalentes;

2- A superioridade das grandes arenas sobre as demais. Por “grandes”, leia-se capacidade superior a 60 mil pessoas, casos do Maracanã, Mané Garrincha e Mineirão, que ocupam as cinco primeiras colocações. Dificilmente veremos outros estádios lutando pelo posto de maior renda da história do futebol brasileiro. Num segundo escalão, Morumbi, Allianz Parque e a própria Arena Corinthians (ausente do ranking) surgem com ótimo potencial de geração de receitas. Tanto os estádios gaúchos (Beira Rio e Arena do Grêmio) quanto o Castelão – outro ocupante do “clube dos 60 mil” – não apresentam histórico de bilheterias vultosas.

3- O poder de consumo das torcidas mineiras (Cruzeiro e Atlético), do Palmeiras e do Flamengo – ocupantes de nada menos do que todas as dez primeiras posições. Lembrando que o Santos x Flamengo do Mané Garrincha (2013) se deu com mando paulista, como forma de explorar o potencial da torcida adversária.

RANKING EM JOGOS DA SELEÇÃO

1) Brasil 1×0 Sérvia – Morumbi (SP) – 6/6/2014 – Público: 63.280 – Renda: R$8.693.940,00 –Amistoso

2) Brasil 2 x 2 Inglaterra – Maracanã (RJ) – 02/06/2013 – Público: 57.280 – Renda: R$ 8.615.730,00 – Amistoso;

3) Brasil 3 x 0 França – Arena do Grêmio (RS) – 09/06/2013 – Público: 51.643 – Renda: 6.833.515,00 – Amistoso;

4) Brasil 2 x 0 México – Allianz Parque (SP) – 07/06/2015 – Público: 34.659 – Renda: R$ 6.737.030,00 – Amistoso;

5)  Brasil 0 x 0 Argentina – Mineirão (MG) – 18/06/2008 – Público: 52.527 – Renda: 6.605.255,00 – Eliminatórias Copa 2010;

6)  Brasil 1 x 0 Romênia – Pacaembu (SP) – 07/06/2011 – Público: 30.059 – Renda : R$ 4.357.705,00 – Amistoso;

7)  Brasil 4 x 2 Chile – Pituaçu (BA) – 09/09/2009 – Público: 30.370 – Renda: R$ 4.350.425,00 – Eliminatórias Copa 2010;

8 )  Brasil 2 x 1 Paraguai – Arruda (PE) – 10/06/2009 – Público: 55.252 – Renda: R$ 4.322.555,00 – Eliminatórias Copa 2010;

9)  Brasil 2 x 1 Uruguai – Morumbi (SP) – 21/11/2007 – Público 65.379 – Renda: R$ 4.321.225,00 – Eliminatórias Copa 2010;

10) Brasil 3 x 0 Peru – Arena Fonte Nova (BA) – 17/11/2015 – Público: 45.558 – Renda: R$ 4.186.790,00 – Eliminatórias Copa 2018;

Aqui, a única novidade se refere à recente vitória do escrete canarinho em solo soteropolitano. Curiosamente, a lógica que rege o ranking de bilheterias interclubes não se aplica: apenas metade dos jogos aconteceram em arenas (condição que o Mineirão não ocupava em 2008). Por incrível que pareça, ainda existe espaço para partidas jogadas em 2007, 2008, 2009 e 2011 – tempos em que, provavelmente, ainda não havia se quebrado o “encanto” do torcedor perante o selecionado nacional. 

RANKING AGREGADO (SELEÇÃO + CLUBES)

1) Atlético-MG 2 x 0 Olímpia – Mineirão (MG) – 24/07/2013 – Público: 56.557 – Renda: R$ 14.176.146,00 – Final Libertadores 2013;

2) Flamengo 2 x 0 Atlético-PR – Maracanã (RJ) – 27/11/2013 – Público: 57.991 – Renda: R$ 9.733.785,00 – Final Copa do Brasil 2013;

3) Brasil 1×0 Sérvia – Morumbi (SP) – 6/6/2014 – Público: 63.280 – Renda: R$ 8.693.940,00 – Amistoso

4)  Brasil 2 x 2 Inglaterra – Maracanã (RJ) – 02/06/2013 – Público: 57.280 – Renda: R$ 8.615.730,00 – Amistoso;

5) Cruzeiro 0 x 1 Atlético-MG – Mineirão (MG) –26/11/2014 – Público: 39.786 – Renda: R$ 7.855.510,00 – Final Copa do Brasil 2014;

6)  Santos 0 x 0 Flamengo – Mané Garrincha (DF) – 26/05/2013 – Público: 63.501 – Renda: R$ 6.948.710,00 – Brasileirão 2013;

7)   Brasil 3 x 0 França – Arena Grêmio (RS) – 09/06/2013 – Público: 51.643 – Renda: 6.833.515,00 – Amistoso;

8 ) Brasil 2 x 0 México – Allianz Parque (SP) – 07/06/2015 – Público: 34.659 – Renda: R$ 6.737.030,00 – Amistoso;

9)   Brasil 0 x 0 Argentina – Mineirão (MG) – 18/06/2008 – Público: 52.527 – Renda: 6.605.255,00 – Eliminatórias Copa 2010;

10) Atlético-MG 4 x 3 Lanús – Mineirão (MG) – 23/07/2014 – Público: 54.786 – Renda: R$  5.732.930,00 – Recopa 2014;

 

MAIORES TICKETS MÉDIOS DA HISTÓRIA

1) Atlético-MG 2 x 0 Cruzeiro – Independência (MG) – 12/11/2014 – Público: 18.578 – Renda: R$ 4.741.300,00 – Final Copa do Brasil 2014 – Ticket: R$ 255

2) Atlético-MG 2 x 0 Olímpia – Mineirão (MG) – 24/07/2013 – Público: 56.557 – Renda:  R$ 14.176.146,00 – Final Libertadores 2013 – Ticket: R$ 250; 

3) Cruzeiro 0 x 1 Atlético-MG – Mineirão (MG) –26/11/2014 – Público: 39.786 – Renda: R$ 7.855.510,00 – Final Copa do Brasil 2014 – Ticket: R$ 197

4) Brasil 2 x 0 México – Allianz Parque (SP) – 07/06/2015 – Público: 34.659 – Renda: R$ 6.737.030,00 – Amistoso – Ticket: R$ 194;

5) Flamengo 2 x 0 Atlético-PR – Maracanã (RJ) – 27/11/2013 – Público: 57.991 – Renda: R$ 9.733.785,00 – Final Copa do Brasil 2013 – Ticket: R$ 167;

6) Brasil 2 x 2 Inglaterra – Maracanã (RJ) – 02/06/2013 – Público: 57.280 – Renda: R$ 8.615.730,00 – Amistoso – Ticket: R$ 150;

7) Brasil 1 x 0 Romênia – Pacaembu (SP) – 07/06/2011 – Público: 30.059 Renda: R$ 4.357.705,00 – Amistoso–Ticket: R$ 145;

8 ) Brasil 4 x 2 Chile – Pituaçu (BA) – 09/09/2009 – Público: 30.370  Renda: R$ 4.350.425,00 – Eliminatórias Copa 2010– Ticket: R$ 143; 

9) Brasil 1×0 Sérvia – Morumbi (SP) – 6/6/2014 – Público: 63.280 – Renda: R$8.693.940,00 –Amistoso – Ticket: R$ 137;

10) Palmeiras 0 x 2 Sport – Allianz Parque (SP) – 19/11/2014 – Público: 35.939 – Renda: R$ 4.915.885,00 – Brasileirão 2014 – Ticket: R$ 136;

Não houve modificações tanto no ranking agregado quanto no de tickets médios. Embora a final da Copa do Brasil tenha batido o recorde de público pagante do Allianz Parque, o ingresso médio do embate (R$ 134) custou ligeiramente menos do que o da inauguração do mesmo estádio (R$ 136).

Um grande abraço e saudações!

E-mail da coluna: teoriadosjogos@globo.com

Siga @vpaiva_btj

Curtam o blog Teoria dos Jogos no Facebook!

Audiências num Rio de Janeiro alijado

27/11/2013, data antológica para a TV no Rio de Janeiro. Naquela noite, o maior clube do estado voltava a decidir um título nacional, quatro anos após conquistar o Campeonato Brasileiro. A demanda da torcida do Flamengo fez com que a audiência da vitória sobre o Atlético-PR, pela final da Copa do Brasil, correspondesse às expectativas. Foram 41 pontos com 66% de share (38 com 61% apenas na Globo), os melhores números da década na cidade. Naquela noite, tanto as emissoras quanto a metade da população fluminense foram dormir felizes.

A partir desta última epopeia nacional, eis que os cariocas voltaram a protagonizar uma deprimente figuração. O título de 2013 foi o último de uma série de conquistas  nacionais iniciada em 2006 com o mesmo Flamengo, na mesma Copa do Brasil*. De lá para cá, o torcedor do Rio voltou a conviver com rebaixamentos e desimportâncias. Pior: passou a assistir pela televisão ao protagonismo de clubes de outras regiões.

*Flamengo campeão da Copa do Brasil 2006; Fluminense campeão da Copa do Brasil 2007; Flamengo campeão brasileiro 2009; Fluminense campeão brasileiro 2010; Vasco campeão da Copa do Brasil 2011; Fluminense campeão brasileiro 2012; Flamengo campeão da Copa do Brasil 2013. Nesta série, apenas em 2008 o Rio não levou nenhuma taça nacional.

Uma das características da TV no Rio de Janeiro é a de veicular partidas decisivas envolvendo times de fora, não só pela Band mas também na Globo. Algo que não acontece, por exemplo, em São Paulo – sede de um mercado publicitário que considera filmes ou paulistas remanejados melhores do que jogos de outras praças. Sendo assim, tanto a final mineira da Copa do Brasil de 2014, quanto a final paulista deste ano tiveram transmissões em solo carioca. Com excelentes números, diga-se de passagem. Comparemo-nos:

Atlético-MG x Cruzeiro – 1º jogo final Copa do Brasil 2014 (RJ)

23 pontos de audiência e 41% de share pela Rede Globo (A Band não possuía os direitos do torneio)

Cruzeiro x Atlético-MG  – 2º jogo final Copa do Brasil 2014 (RJ)

29 pontos de audiência e 49% de share pela Rede Globo.

Santos x Palmeiras – 1º jogo final Copa do Brasil 2015 (RJ)

21 pontos com 35% pela Rede Globo, mais 2 com 3% pela Band. Total: 23 pontos com 38%

Palmeiras x Santos – 2º jogo final Copa do Brasil 2015 (RJ)

23 pontos com 39% pela Rede Globo, mais 2 com 4% pela Band. Total de 25 pontos com 43%

As audiências forasteiras no Rio comprovam a tese de que o brasileiro gosta de futebol, mas principalmente de decisões. São, ainda, uma prova de que Rio ou São Paulo são capazes de se igualar ao resto do país, onde capitais importantes como Belo Horizonte ou Porto Alegre se cansam de receber sinais de fora sem prejuízos devastadores em seus números. No caso carioca, uma interessante especificidade aponta para a predileção dos mineiros em detrimento dos paulistas – fato comprovado pelos 29 pontos (49%) daquele Raposa x Galo. Isto pode ser fruto da proximidade Rio-Minas ou uma resposta à negativa rivalidade existente entre a Cidade Maravilhosa e a Terra da Garoa.

Como não poderia deixar de ser, os registros nas praças de origem foram robustamente maiores – com novo destaque para a final mineira. O segundo clássico mineiro de 2014 marcou inacreditáveis 50 pontos com 73% via Globo Minas (Belo Horizonte). Em solo paulistano, Palmeiras x Santos registrou 32 pontos com 49% pela Globo e 7 com 10% na Band, totalizando 39 pontos e 59% de share.

Um grande abraço e saudações!

E-mail da coluna: teoriadosjogos@globo.com

Siga @vpaiva_btj

Curtam o Blog Teoria dos Jogos no Facebook!

A Pesquisa da Vez: Uberlândia 2015

Localidade: Uberlândia/MG

Instituto: PS Marketing

Amostra: 400 entrevistas, entre 11 e 12 de março de 2015

Margem de erro: 5 p.p

De um tempo para cá, Uberlândia se tornou a cidade brasileira mais frequentemente mapeada no tocante a suas torcidas. Tudo começou em 2008, numa pesquisa elaborada pelo Instituto Veritá e publicada pelo antigo Blog Teoria dos Jogos (do Globoesporte.com). Depois, veio a “era” do instituto PS Marketing. Eles fizeram um estudo em 2011 e outro em 2014, já repercutidos neste espaço. Pouco mais de seis meses depois, voltaram à carga.

Ao contrário dos anos anteriores, desta vez a PS Marketing abriu os recortes por sexo, idade, renda e escolaridade. Mas o que seria boa notícia, infelizmente se tornou motivo de frustração. Tudo por conta da incapacidade do instituto de compilar e analisar suas próprias informações.

Outro esclarecimento importante é que em lugar algum as torcidas se modificam com o passar de meses. Por conta disto, modificações pontuais podem e devem ser atribuídas a movimentos dentro da margem de erro – em se tratando de nada desprezíveis cinco pontos percentuais.

Dito isto, vamos à atualização do perfil da segunda maior cidade do estado de Minas:

Fig 01

O Flamengo nada de braçadas na cidade, apresentando percentual (20%) que representa o dobro da segunda maior torcida, a do Corinthians (10%). Dentro das flutuações de margem de erro descritas, curioso notar que as duas maiores torcidas verificaram quedas idênticas – na casa de três pontos percentuais – desde o ano anterior. O Cruzeiro segue como terceiro maior (8%) e o São Paulo é quarto (7%). Em seguida temos Vasco (6%), Palmeiras (5%), Atlético-MG (4%), Santos (2,5%) e Uberlândia (1,25%). Todas as demais agremiações não ultrapassam a marca unitária. Indivíduos sem time somam importantes 31%.

Por gênero:

Fig 02

Entre os principais consumidores de futebol (indivíduos do sexo masculino) o Flamengo é ainda maior em Uberlândia, monopolizando 22% das preferências. Ainda entre eles, São Paulo e Vasco saltam a 9%, ultrapassando o Cruzeiro (8%) e se equiparando ao próprio Corinthians. O time paulista, aliás, é o único com maioria feminina (10%), algo há muito verificado em nossas análises. Em meio a elas, vascaínas são apenas 2%, um impressionante desequilíbrio de gênero da torcida cruzmaltina. Outro dado importante é a rejeição do futebol entre mulheres em escala duplicada: 42% das uberlandenses do sexo feminino não possuem time, contra 21% dos homens.

Por idade:

Fig 03

Uma das informações mais importantes em análises desta natureza, o perfil das torcidas por faixa etária foi onde a PS Marketing mais pisou na bola – o que denota que nem mesmo pesquisadores sabem lidar com números por eles produzidos. Percebam que na faixa mais jovem, Corinthians e Cruzeiro destoam, cada um com 33% das preferências. Com 17% – exatamente a metade – vem o São Paulo, e só então surge o Flamengo, com 8% (metade da metade). Nas faixas seguintes a coisa muda de figura, com o Flamengo tomando a dianteira inclusive entre jovens. O que teria acontecido?

Vote no Blog Teoria dos Jogos no Prêmio Top Blog 2015

O problema começa pelo número excessivo de faixas, sete, algo demasiado em se tratando de uma pesquisa com baixo número de entrevistados. Se dentro de cada faixa a margem de erro é explosivamente maior, o que dizer do primeiro recorte – que inclui entrevistados com idade entre 16 a 17 anos? Enquanto os demais contemplam toda uma geração, com intervalos de oito a dez anos, pouquíssimos foram ouvidos numa faixa (16-17) que representa cerca de 3% da população brasileira. Assim, é praticamente certo que tenham sido apenas doze indivíduos: quatro corintianos e cruzeirenses, dois são paulinos, um flamenguista e um “nenhum”. Infelizmente, nada se pode auferir num universo tão restrito. E o instituto deveria saber disto.

Analisando as demais faixas, flamenguistas são maioria entre jovens e adultos, mas atingem o ápice (31%) entre 36 a 45 anos – a tão falada “era Zico”. O Corinthians cresce à medida com que rejuvenesce, saindo de 3% em meio a idosos para 14% entre 18 e 25 anos. O Cruzeiro é a segunda maior torcida dos 46 aos 55 anos (12%), o São Paulo é vice de 26 a 35 (14%) e o Palmeiras é terceiro entre 56 e 65 anos (8%). De maneira surpreendente, a supremacia acima dos 65 pertence ao Vasco, com 10% das preferências.

Por escolaridade e classes sociais, mais equívocos:

Fig 04

O instituto não explica a diferença entre Fundamental I e II, assim como não diz qual o nível de renda associado a cada uma das (novamente excessivas) classes sociais. O mesmo erro cometido nas faixas etárias pode ser verificado, já que na classe A1, apenas Flamengo, São Paulo e Nenhum aparecem com citações – denotando outro recorte minimalista.

Podendo se auferir tão pouco, o Blog Teoria dos Jogos espera que o instituto PS Marketing melhore suas análises, sob pena de desperdiçar estatísticas tão valiosas.

Um grande abraço e saudações!

E-mail da coluna: teoriadosjogos@globo.com

Siga @vpaiva_btj

Curtam o Blog Teoria dos Jogos no Facebook!

Análise: O Mapa das Curtidas – Minas Gerais

Após nos debruçarmos sobre dois dos três estados mais plurais em termos de torcidas – Santa Catarina e Paraná – chegou a vez de desembarcar no último vértice deste triângulo. Trata-se de Minas Gerais, quarta maior unidade federativa e segunda mais populosa do Brasil. Um dos berços do país como o conhecemos, cuja diversidade cultural e étnica denota à perfeição nossos contrastes, mazelas e as próprias preferências clubísticas.

Fig 01

De acordo com as curtidas no Facebook, Minas surge como enorme mancha azul celeste no centro do Brasil: Entre seus 853 municípios, 561 são de maioria cruzeirense. Embora faça frente ao Cruzeiro em muitos lugares, em nenhum o Atlético-MG se mostra acima do arquirrival, uma situação inesperada. Em território mineiro, inimigos íntimos são mesmo Flamengo e Corinthians. O rubro-negro predomina nas regiões da Zona da Mata (divisa com o Rio) e onde o Triângulo Mineiro “toca” o estado de Goiás – além de cidades esporádicas nos limites com Espírito Santo e Bahia. Já os corintianos são hegemônicos no Sul de Minas, no Triângulo “paulista” (divisa com São Paulo e Mato Grosso do Sul), além de duas pequenas cidades em pleno Vale do Jequitinhonha.

Um olhar mais apurado sobre Cruzeiro e Atlético:

Fig 02

A diferença entre os arquirrivais é tão flagrante quanto o Blog Teoria dos Jogos sempre sugeriu. Em recente entrevista ao site ESPN FC, este blogueiro afirmou que em Minas, “time do povo” seria o Cruzeiro – especialmente no interior, região onde o equilíbrio se dissiparia em favor do universo estrelado. Situação mais que evidente ao analisarmos o Mapa das Curtidas.

Com exceção das extremidades flamenguistas e corintianas, a torcida do Cruzeiro está presente ou na liderança em quase todas as regiões. Mais: pode-se dizer que o azul celeste transporta fronteiras, verificado em pequenas cidades do outro lado das divisas (Goiás, Espírito Santo e até Bahia). O mesmo não se pode dizer do Galo, restrito a Minas e, em muitos casos, relegado à terceira importância. Curiosamente, o Atlético é curtido em 100% dos 5.564 municípios brasileiros. Em cinco deles, o Cruzeiro não se viu agraciado.

Quanto aos times paulistas:

Fig 03

O nível de difusão da torcida do Corinthians pelo estado de Minas talvez represente uma das grandes surpresas do Mapa das Curtidas do Globoesporte. Os alvinegros só se veem alijados na “meiuca” da região metropolitana de BH, sendo fortemente representados até onde o Flamengo está ausente (Norte de Minas). Em todas as partes, o Timão traz consigo outro grande antagonista: o São Paulo. Em paleta de cores mais suavizada, o Tricolor Paulista se percebe em quase todas as mesorregiões onde há corintianos. O mesmo não se pode dizer de palmeirenses e santistas: O Verdão é terceiro e o Peixe quarto somente em determinadas cidades do Sul e do Triângulo.

Já os times do Rio:

Fig 04

A característica mineira do Mengão é clara. Sua torcida domina as áreas em que o estado faz divisa com outros de maioria rubro-negra. É assim na Zona da Mata (divisa com o próprio Rio), na Triângulo (fronteiriço a Goiás) e nas regiões do Vale do Rio Doce, Mucuri e Jequitinhonha, próximas à Bahia. Adentrou, perdeu. No zonal interior, o Flamengo não só perde espaço para Cruzeiro e Atlético como para o próprio Corinthians.

Quanto aos demais cariocas, estes não correspondem às expectativas – ao menos pelo Facebook. Vasco e Botafogo só aparecem na Zona da Mata, além dos cruzmaltinos em pequenos municípios do Triângulo. O Fluminense, nem isso. Outra grande revelação do “Mapa” foi justamente a distância entre os quase inexistentes tricolores e os representativos botafoguenses na região da Mata. Enquanto o Botafogo detém a segunda torcida em nove municípios (entre eles a importantíssima Juiz de Fora), o Flu é no máximo terceiro em quatro – destaque para Além Paraíba.

O que faltaria para o “Mapa” se tornar pesquisa? Além de ampliar a amostragem na direção de pobres e idosos, necessário seria contemplar o percentual dos que não torcem por time algum. Enquanto a primeira premissa apenas se soluciona através de pesquisas científicas, a segunda foi abordada num exercício pelo leitor Paulo Henrique Salles. Ele planilhou os percentuais das quatro principais torcidas nos 20 maiores municípios mineiros – que respondem por 40% da população. Depois, considerou que 70% da população torça por alguém, projetando conservadora margem de 30% para o “Nenhum”. Daí, auferiu qual seria o tamanho exato dos rivais caso o resto do estado tivesse o mesmo perfil das cidades selecionadas. Eis o resultado:

Fig 05
Clique para ampliar

Com base nos critérios descritos, a torcida do Cruzeiro representaria 26,48% da população de Minas Gerais, frente a 18,64% do Atlético-MG, 6,81% do Flamengo e 5,17% do Corinthians. Panorama absolutamente fiel ao demonstrado por pesquisas sérias no estado.

Um grande abraço e saudações!

E-mail da coluna: teoriadosjogos@globo.com

Siga @vpaiva_btj

Curtam o Blog Teoria dos Jogos no Facebook!