A Pesquisa da Vez: Campinas – tabulações EXCLUSIVAS

Detalhamento da pesquisa;

Localidade: Campinas/SP, entre 15 e 18 de julho de 2016

Instituto: PróPesquisa (http://propesquisa.com.br/index.html)

Amostra:  800 entrevistados

Margem de erro: 3 p.p

Os primeiros resultados saíram na semana passada: segundo o Lancenet, em pesquisa encomendada pela Brasil Kirin (patrocinadora da Ponte Preta), a cidade de Campinas teria sido mapeada no tocante às suas torcidas. Informações tão importantes não haveriam de ser divulgadas de maneira superficial e cheia de arredondamentos. Sendo assim, o Blog Teoria dos Jogos procurou o Instituto PróPesquisa, vindo a público brindar sua audiência com os resultados completos do trabalho, em tabulações exclusivas.

Antes, uma observação: com expertise na divulgação e análise de pesquisas de torcidas, tínhamos Campinas como um eldorado passível de mapeamento. Não apenas por se tratar da terceira maior cidade do estado de São Paulo, núcleo de uma região metropolitana de 3 milhões de habitantes com o 11º maior PIB do Brasil. Interessava também por Campinas ser um dos principais focos de excelência no futebol do interior, berço de dois clubes de enorme relevância e acirradas rivalidades históricas. Tanto que, certa vez, um profissional da área nos confessou que evitava pesquisar Campinas por conta das polêmicas que viriam a ser despertadas pelos números da cidade.

Pois a espera acabou. Vamos a eles:

Fig 01

Sim, amigos, a maior torcida de Campinas é a do Corinthians – nenhuma novidade para quem trabalha na área. Apesar da força de sua massa, os 19,8% da Ponte Preta não alcançam os 21,7% do bando de loucos em solo campineiro, ainda que ambos se encontrem em situação de empate técnico. Em seguida, alinhados com o perfil das torcidas no estado, temos São Paulo (9,7%), Palmeiras (7,9%) e Santos (4,2%). Pausa para a polêmica: só então surge o Guarani, arquirrival da Macaca, com meros 3,4%. O Flamengo, com 2,1%, encerra o clube dos que superam a marca unitária.

O que justifica tamanha discrepância entre o quantitativo de bugrinos e pontepretanos? Ainda que nem todos concordem, a explicação recai sobre o perfil das torcidas de interior, onde inúmeros se dividem entre um “clube do coração” (geralmente um dos quatro grandes de SP) e um local. No entanto, quanto mais tempo as paixões locais se “solidificarem” na elite, maior o processo de “purificação” de uma torcida que antes se dividia. Em direção oposta, quanto maior o sofrimento por maus resultados, divisões subalternas e falta de preponderância, menos gente disposta a apontar um clube local como o detentor de sua preferência. O primeiro exemplo se aplica à Ponte Preta – ainda que se possam fazer paralelos com outras forças do interior, como a Chapecoese. O segundo, classicamente, se encaixa sobre o Guarani.

Ainda quanto à primeira tabela: em termos geográficos, o maior número de corintianos, ponte pretanos, são paulinos e santistas se dá na região sudoeste da cidade. Nela, os quatro marcam, respectivamente, 28,9%, 30,5%, 12,3% e 9,1%. Na região noroeste, enfraquecem-se os times de Campinas, elevando-se o Palmeiras à condição de segunda maior torcida (10,7%). Importante reiterar que, numa pesquisa com apenas 800 entrevistados, a margem de erro dentro de um recorte com cinco tabulações diferentes é representativa.

Em seguida, a análise por gênero:

Fig 02

No Brasil, é sabido que os homens são os principais componentes do núcleo de heavy users do futebol. Sendo assim, a torcida mais preponderante de fato em Campinas seria a da Ponte Preta, com expressivos 28,9% dos adeptos do sexo masculino. Apenas o Corinthians, com 23,4% dos homens, é capaz de fazer alguma frente à torcida da Macaca. A terceira torcida masculina pertence ao Verdão, com longínquos 9,3% das preferências. Entre os maiores, o São Paulo é o único que aparece com mais mulheres do que homens em seus quadros (10,8% a 8,6%). Pessoas sem clube marcam 15,7% entre eles e 41,6% entre elas.

Um dos recortes mais importantes, por faixa etária:

Fig 03

Ainda que o trabalho peque ao não pesquisar mais a fundo o universo infanto-juvenil, são apresentados resultados bastante sintomáticos. A Ponte detém a torcida que mais rejuvenesce, saindo de 19,5% acima de 45 anos para 27,1% entre pessoas de 18 a 24 anos. Mas o Corinthians acompanha praticamente no mesmo ritmo: de 19,7% para 26,4% nos mesmíssimos recortes. Outro que apresenta crescimento entre jovens é o São Paulo, com 15,3% da torcida na primeira faixa etária. Diferente de Palmeiras, Santos e Guarani, times que possuem sua maioria entre indivíduos acima de 45 anos. Mas a surpresa aqui é o Flamengo. Com 4,9% entre 18 e 24, os rubro-negros ultrapassam Peixe e Bugre e se solidificam como a quinta maior torcida entre jovens de Campinas.

Por escolaridade:

Fig 04

Novamente o destaque vai para os ponte pretanos, maiores entre os mais escolarizados: 20,2% dos que possuem diploma de nível superior. A primazia do Corinthians ocorre no nível médio, onde detém 23,9% das preferências. Surpreendentemente, são paulinos se concentram entre pessoas com nível fundamental (10,5%). Há bem mais torcedores do Guarani com nível superior (4,8%) do que fundamental (2,8%).

Finalmente, por renda:

Fig 05
Clique para ampliar

Importante esclarecer que, numa pesquisa com 800 pessoas, são poucos os entrevistados a se enquadrarem nas duas faixas de renda mais alta (entre R$ 6.781 e R$ 13.560 e acima disto). Percebam que o último recorte teve apenas 12 respondentes: quatro corintianos, três ponte pretanos, um são paulino, um vascaíno e três “nenhum”. Trata-se de um quantitativo sobre o qual, estatisticamente, nada se pode auferir. Enquanto isto, as três primeiras faixas aparentam abranger um número mais seguro de entrevistados. Sendo assim, corintianos, são paulinos e bugrinos se concentrariam em meio a pessoas com menor poder aquisitivo (até R$ 1.356), direção oposta à da Ponte Preta e seus 26,2% de torcedores de renda média-alta.

Um grande abraço e saudações!

E-mail da coluna: teoriadosjogos@globo.com

Siga @vpaiva_btj

Curtam o blog Teoria dos Jogos no Facebook!

3 comentários sobre “A Pesquisa da Vez: Campinas – tabulações EXCLUSIVAS

  1. Olá Vinicius. Gosto muito do seu blog! Acho muito interessante as análises que faz das pesquisas de torcidas e dos balanços financeiros dos clubes.
    Esta pesquisa de Campinas, que entendo que você está apenas divulgando, tendo sido realizada por uma marca de cerveja, não me parece representativa, talvez pelo tamanho da amostra.
    Morei por muito tempo em Campinas, e me causou estranheza a ausência de torcida de equipes do Norte e Nordeste do Brasil, principalmente na microrregião Norte de Campinas, região que é composta pelo distrito de Barão Geraldo, onde se situa a Unicamp. A população de pessoas provenientes de estados como Pará, Pernambuco e Bahia, além de Minas e RJ é bem grande nesta macrorregião, e somadas devem equivaler a de paulistas. Nenhum décimo para as equipes do Norte e Nordeste e apenas 0,9 para Flamengo e Galo me parece errado.

    Um grande abraço

    Romulo

Deixe uma resposta