Match Day: Arena da Baixada

Dizem que não há nada melhor do que aliar trabalho e lazer. O Blog Teoria dos Jogos concorda, há anos trazendo até vocês prazerosas análises de match day em arenas e estádios do Brasil e do mundo. Quando o evento envolve seu time do coração, tanto melhor. Sendo assim, fomos até Curitiba acompanhar o confronto entre Atlético-PR e Flamengo, anteontem na Arena da Baixada, pela fase de grupos da Libertadores. Não deixando escapar nada além dos três pontos.

Antes, é preciso dizer que algumas das percepções estarão limitadas a uma visita que percorreu apenas caminhos e acessos destinados aos visitantes. Ainda assim, nos trouxe impressões interessantes do estádio localizado numa zona densamente povoada da capital paranaense. Chamaram atenção, por exemplo, ruazinhas no entorno sem tanta aglomeração, com o acúmulo de pessoas se intensificando apenas perto dos portões do estádio. Pessoas  eram vistos relaxando tranquilamente em suas residências de classe média – a poucos metros da típica bagunça que envolve os grandes eventos. Um edifício em especial quase se confundia com a Arena, tamanha a proximidade.

As primeiras impressões foram solapadas por uma logística de entrada que funcionou mal, lembrando os piores momentos do antigo Maracanã. Dois pontos de afunilamento – a triagem para revista e a passagem pelas catracas, dentro de uma “mini esplanada” – geraram balbúrdia, aperto e falta de educação. Importante dizer que a maioria dos desrespeitos, como furadas de fila e tentativas de entrar sem ingresso, vieram importados pelos muitos cariocas que viajaram até Curitiba. Pessoas que frequentam a Arena relataram que tais confusões não condizem com a normalidade. De qualquer maneira, corredores e escadarias apertados soaram como uma falha estrutural, ao menos à ocasião de um setor abarrotado por cerca de 4,5 mil visitantes.

Dentro das instalações, o panorama mais conhecido da Arena da Baixada: um estádio incrível. Mas de uma sobriedade inquietante e algo asséptica, dadas as cadeiras em tons de cinza ao estilo E.L James. Preenchido pelo negro-rubor atleticano (e, naquela noite, também do Flamengo) o coliseu se torna ainda mais belo, dando margem para questionamentos acerca da paleta de cores selecionada. No que tange ao conforto, pouco a reclamar – talvez uma certa superlotação no setor inferior dos visitantes.

Mas as principais curiosidades em se tratando da casa do Atlético são duas: grama sintética e cobertura. No primeiro caso, poucas avaliações podem ser feitas no olhômetro. De qualquer maneira, a aparência é claramente de algo não-natural, ao cabo que a bola parece correr e quicar normalmente. Quanto à cobertura, trata-se de algo majestoso, proporcionando um ganho ímpar de qualidade na experiência. Principalmente em noites frias e com ameaça de chuva, como era o caso.

Um efeito colateral: a proibição de fumar, em se tratando de ambiente fechado. Longos anúncios nos alto falantes chamavam atenção para o fato, o que não evitou certas “marolas”. Outra relativa imperfeição vem do formato da arquibancada, que impede a visualização do setor superior pelo inferior. Pior: camarotes atleticanos entre os dois níveis da torcida do Flamengo geraram alguns princípios de bate-boca.

Ainda assim, a atmosfera do Joaquim Américo Guimarães (seu nome oficial) é estonteante. Em parte pelo ambiente fechado e seu alarido de ginásio, mas também pela própria torcida do Furacão, articulada e atuante. Um acanhado mosaico foi preparado para a entrada do time em campo. Uma das inscrições dizia “Soy Loco Por Ti”, acompanhada por outras faixas em espanhol que remetiam à velha pedância latinizante das torcidas do Sul.

Uma recém instalada faixa de LED – algo que até então apenas a Arena Corinthians possuía – dava ares de NBA ao espetáculo.

Por fim, e novamente deixando claro se tratar apenas do setor de visitantes, banheiros e corredores internos eram simples e acanhados, assim como havia pouca variedade nos bares (nenhum produto foi consumido). Bebidas alcoólicas não se encontravam disponíveis.

Um grande abraço e saudações!

E-mail da coluna: teoriadosjogos@globo.com

Siga @vpaiva_btj

Curtam o Blog Teoria dos Jogos no Facebook!

Deixe uma resposta