Arquivo da tag: corinthians

O faroeste envolvendo a Globo e o Esporte Interativo

Fig 01

Todos sabem que a Globo é a maior rede de televisão do Brasil e uma das maiores do mundo. Primando por excelência, além de dominar o entretenimento e o jornalismo, sempre coube a ela ditar as regras no tocante ao televisionamento do futebol. Simplesmente porque nunca teve concorrentes à altura, econômica ou estruturalmente, para sentir-se ameaçada em seu reinado. Assim, esteve nas mãos da Globo a transmissão e exploração do futebol brasileiro em suas diferentes mídias: TV aberta, fechada, pay per view, mobile e internet.

Já o Esporte Interativo é de conhecimento mais recente. Pequeno canal esportivo fundado no Rio de Janeiro, demorou para entrar nas TVs por assinatura pela falta de envergadura ao encarar operadoras, Globosat e os titãs da concorrência (Fox Sports e ESPN) – todos conglomerados internacionais. Clube ao qual adentrou há pouco mais de um ano, ao ser adquirido pela Turner, proprietária das redes CNN, TNT, Cartoon Network, Boomerang e outros.

O Esporte Interativo ficou grande. E passou a encarar a Globo naquilo que ela mais preza. Sendo exclusivamente um canal fechado, ofereceu um caminhão de dinheiro aos clubes pela propriedade. Prometendo rateio à inglesa, citação de naming rights e maior flexibilidade de horários.

A negociação deu errado diante dos clubes de maior torcida: Corinthians, São Paulo, Vasco, Botafogo, Cruzeiro e Atlético-MG fecharam ou tendem a fechar com a Globo. Por outro lado, seduziu Santos, Atlético-PR, Coritiba, Internacional e Bahia. Outros podem vir, aumentando o inédito rompimento da exclusividade global, ao menos no tocante a este ambiente em específico.

O problema é que o embate passou a ser enxergado por boa parte da opinião pública e da mídia “especializada” como um bang-bang. Aqueles antigos filmes de faroeste que opõem claramente o bandido opressor ao mocinho redentor. Clara e respectivamente representados pela vilã Globo e o herói Esporte Interativo.

Não é por aí. Nem um pouco.

Se é correto o conceito de “monopolista” aplicado à Globo nas últimas décadas, ele o seria com base nos princípios schumpeterianos do termo. A emissora foi simplesmente a vencedora, tendo sua primazia construída com base no mérito, em anos de parceria e ótimos serviços prestados. E, sim, nos preceitos de livre mercado! Afinal, na hora H, os concorrentes nunca sustentam a postura inicial de confrontamento a ela.

Tudo, evidentemente, apesar dos pesares. Dos interesses que envolvem as Organizações Globo. Da intransigência em seus princípios comerciais, no engessamento da programação ou nas exageradas exigências quanto à postura “chapa branca” de seus profissionais. Ninguém está aqui para defendê-la.

Ainda assim, não temos uma vilã, mas uma renomada empresa líder de mercado. E até por isto, com muito poder de barganha, condição que todo entrante pequeno e desprestigiado almeja alcançar.

Por outro lado, o Esporte Interativo surge como um sopro de renovação. Injetando recursos – ou fazendo com que a Globo o faça, ao suas cobrir propostas – oferece coisas novas e bacanas. Mas não se enganem, todos aqui possuem interesses e proibições, regra que passa longe de não se aplicar ao canal. Conflitos entre fornecedores e clientes, afinal, sempre transparecem – mas só quando a relação está consumada. Apelar para o emocional ou vender-se como uma espécie incompreendida de Robin Hood não faz o feitio da Time Warner, controladora da Turner. Que nos EUA, de boba nunca teve nada.

Cabe a nós aguardarmos as cenas dos próximos capítulos, na certeza de que a dicotomia já está estabelecida – dado o fechamento de contratos com ambas as emissoras. Aguardemos ainda as futuras rodadas de negociação pelo mais desejado filão, o do televisionamento aberto, que não contará com o Esporte Interativo. Nem por isto são aceitáveis as acusações de fragilização dos clubes perante a futura rodada de conversações. Ninguém sabe como estará o mercado daqui a um ou dois anos.

No mais, entrantes sempre poderão suplantar a Globo – vide a Fox Sports, com os direitos da Copa Libertadores. Basta oferecer mais, oferecer melhor. E convencer os clubes da pertinência da migração. Alguém falou que seria fácil?

Um grande abraço e saudações!

E-mail da coluna: teoriadosjogos@globo.com

Siga @vpaiva_btj

Curtam o blog Teoria dos Jogos no Facebook!

O ranking das cotas de TV – Estaduais 2016

Por conta das negociações com emissoras interessadas na transmissão do Brasileirão, só se fala em cotas de TV. No entanto, existe um torneio totalmente presente em nossas vidas, casas e aparelhos de TV, para o qual pouco nos atentamos. Tratam-se dos estaduais, cujas renegociações também se encontram em pleno vapor, ainda que envolvam cifras menos polpudas e distorções muito mais injustificáveis do que as geralmente apontadas.

Assim como tantas outras receitas de marketing, os valores pagos pelos estaduais não são fáceis de ser descobertos. Primeiro porque, nos balanços patrimoniais, a maioria dos clubes não discrimina as receitas de televisionamento. Eles classificam-nas como “Cotas de TV” numa conta única, sem separar Brasileirão, estaduais e outros torneios. E eles são muitos: Libertadores, Copa do Brasil, Primeira Liga ou amistosos, todos trazem recursos pagos pela televisão.

Enfim: com base em informações veiculadas na mídia, balanços, orçamentos e borderôs (como os da FERJ, que incluem cotas de TV), este seria o ranking dos quatro principais estaduais do país:

Fig 01

Percebam, em primeiro lugar, a discrepância de valores entre estaduais e o Brasileirão. Embora o nacional dure exatamente o dobro de um estadual (seis meses e vinte dias, contra três meses e dez dias do Carioca), a diferença paga chega, em alguns casos, a mais de dez vezes. Isto sem discrepância nas audiências – com leve tendência (acreditem) aos próprios estaduais: em 2015, dezesseis jogos do Paulista registraram média de 18,5 pontos para a Globo (quem paga a conta), enquanto 38 jogos dos clubes de São Paulo bateram 17,9 pontos no Campeonato Brasileiro.

Em segundo lugar, temos a diferença a favor do Paulista em detrimento dos demais torneios. Aí, parte da explicação reside nas rodadas de negociação: em São Paulo, os valores se referem à última leva de assinaturas*, fechada ao final de 2015 e válida pelos próximos anos. Já no Rio e no Rio Grande do Sul, o último ano do antigo contrato é justamente o atual, com conversas possivelmente iniciadas nos próximos meses. Antes do litígio entre Fla, Flu, FERJ e Primeira Liga, estimava-se para os cariocas algo em torno de R$ 11 milhões, que podem cair pela manutenção das incertezas.

*Estima-se que as luvas tenham ficado na casa dos R$ 20 milhões.

Ainda assim, a primazia de Corinthians, São Paulo, Palmeiras e Santos se manterá. Diferente do Brasileirão – quando a Globo equipara Flamengo e Corinthians – pelos estaduais, os times do estado mais rico se beneficiam da robustez de seu mercado. Isto num torneio transmitido apenas para dentro de suas fronteiras, ao contrário do Carioca – veiculado em outras 14 praças.

Em terceiro, verifica-se a total equiparação dos grandes de um mesmo estadual no rateio da grana. A projeção desta equidade distributiva configura um sonho para a maioria dos clubes envolvidos na gritaria contra a suposta “espanholização”. Seguindo critérios de audiência e número de partidas, Flamengo e Corinthians recebem muito mais do que seus pares no Campeonato Brasileiro. Nos estaduais, não.

Um quarto elemento ainda salta aos olhos. Miudezas à parte, os maiores times do Rio recebem igual aos grandes gaúchos e mineiros. E isto não se dá porque a Globo paga o mesmo, mas porque nestes, os clubes de menor investimento pagam a conta. Enquanto no Rio um pequeno desembolsa até R$ 2,5 milhões (em São Paulo, mais de R$ 3 milhões), no Rio Grande não se aufere mais do que R$ 800 mil. Melhor do que em Minas, onde restam míseros R$ 300 mil para cada agremiação.

Enquanto o foco no Brasileirão recai sobre absurdos bem menos inexplicáveis, a verdade é que as cotas de TV nos Estaduais são aquilo que se convencionou por “samba do crioulo doido”.  Valores baixos, distribuição heterodoxa e equiparação de clubes de porte totalmente diferente.

Que o diga a Ponte Preta, faturando quase igual ao Flamengo…

Um grande abraço e saudações!

E-mail da coluna: teoriadosjogos@globo.com

Siga @vpaiva_btj

Curtam o blog Teoria dos Jogos no Facebook!

A primeira de muitas

Foto: Twitter da Prefeitura de São Paulo (@prefsp)
Foto: Twitter da Prefeitura de São Paulo (@prefsp)

Na manhã de ontem, o Estádio Municipal Paulo Machado de Carvalho (mais conhecido como Pacaembu) recebeu uma final histórica, ainda que se tratasse apenas de uma competição sub-20. Pela primeira vez, Flamengo e Corinthians – clubes de maior torcida do Brasil – se enfrentaram na final da Copa São Paulo, com vitória rubro-negra nos pênaltis. Mas a verdade é que a surpreendente raridade deste confronto tende a se desfazer à medida com que ambos se solidificam no cenário econômico e esportivo do futebol brasileiro.

Apesar de haver alguns duelos importantes em fases intermediárias do Brasileiro e da Libertadores, Corinthians e Flamengo só compuseram uma final de profissionais, no longínquo ano de 1991. À época, um incipiente Timão apenas iniciava sua trajetória de títulos importantes, sendo o campeão brasileiro de então. Já o Flamengo – papão de títulos da década anterior – vinha como campeão da segunda edição da Copa do Brasil. Assim, os times se enfrentaram na já extinta “Supercopa do Brasil”, com vitória corintiana em um Morumbi que recebeu patéticos 2.706 torcedores.

De lá para cá, muita coisa mudou, a começar pela impossibilidade deste confronto ocorrer mediante público tão pequeno. Corinthians e Flamengo foram, respectivamente, campeão e vice-campeão de público no último Brasileirão, ambos com média superior a 30 mil torcedores por jogo. Trata-se da ponta de um iceberg que reflete a primazia financeira verificado pelos titãs paulistas e cariocas.

Bem administrado após a maior mancha no currículo do clube – o rebaixamento de 2007 – o Corinthians passou a vivenciar sua “era de ouro”, conquistando diversos títulos nacionais (Brasileirão e Copa do Brasil) e internacionais (Libertadores e Mundial). O clube roubou do São Paulo o trono de potência financeira e, nestas condições, navegou tranquilo até bem recentemente.

Interessado em futebol internacional, resultados, previsões, notícias e tudo sobre apostas? Clique aqui!

Eis que assumiu a atual gestão rubro-negra, em janeiro de 2013, e tudo mudou: o Fla reassumiu a liderança econômica e passou a visar a equiparação no tocante aos resultados em campo. Apesar de conquistas nacionais relativamente recentes, o Mengão ainda se vê prejudicado pela falta de estrutura e de uma filosofia própria, tanto que estas se tornaram diretrizes do segundo mandato do presidente Eduardo Bandeira de Mello.

Com a vigência dos novos contratos de TV, o boom de Flamengo e Corinthians tende a se intensificar. Apenas a título de televisionamento aberto, ambos receberão R$ 170 milhões, enquanto nenhum outro ultrapassará a casa dos R$ 110 milhões – a maioria bem menos do que isso. A origem é a predileção da TV por partidas que os envolvam, dadas as maiores audiências. A consequência, contratos de patrocínio mais robustos, que potencializam o processo de descolamento da dupla.

Um bom exemplo se deu justamente ontem, na Copinha. Pela primeira vez a TV Globo veiculou a final do torneio para todo o Brasil num dia de semana, quando sua grade é mais engessada. Um ano antes, a decisão entre o mesmo Corinthians e o Botafogo/SP já havia sido nacional, mas num domingo, havendo perfeito encaixe com a programação do Esporte Espetacular – tradicional veiculador de eventos ao vivo. Os números da audiência corroboram a boa escolha: 15 pontos com 40% em São Paulo (crescimento de 8 pontos na média da faixa) e 14 pontos com 39% no Rio (4 pontos acima do verificado nas quatro segundas anteriores).

Um grande abraço e saudações!

E-mail da coluna: teoriadosjogos@globo.com

Siga @vpaiva_btj

Curtam o Blog Teoria dos Jogos no Facebook!

O ranking das visitações 2015

Atenção: este ranking sofreu modificações após o envio das informações relativas ao Internacional. Clique aqui e confira a coluna “Os números da Visita Colorada (atualização do ranking”. (19/01/2016)

Após um breve recesso de início de ano, o Blog Teoria dos Jogos retorna suas atividades trazendo aquilo que sua audiência mais gosta: ranking comparativos. Desta vez, trataremos de informações inéditas sobre o quantitativo de torcedores recebidos nas diversas modalidades de visitações aos maiores clubes brasileiros.

Não se pode dizer que visitas guiadas sejam alguma novidade, já que sempre existiram nos principais estádios e salas de troféus. Mas é possível entender que, com a modernização da estrutura dos clubes – seja através da construção de arenas ou centros de treinamentos de ponta – este filão vem se mostrando cada vez mais rentável e atrativo. Tanto que hoje, em muitos casos a exploração se dá por meio de empresas terceirizadas e especializadas na atividade, caso da Futebol Tour.

Elaborar um ranking das visitações é algo passível de injustiças devido à enorme heterogeneidade que envolve as diferentes estruturas. Alguns possuem estádio próprio, outros não – e nem todos são proprietários de uma arena modernizada. O mesmo se aplica aos centros de treinamento, já que existem casos de equipes que treinam no próprio estádio devido à ausência de um CT. Salas de troféus são algo comum a todos, enquanto museus ainda são raridade. Por fim, existem modelos que mesclam todas as modalidades, como salas de troféus dentro de uma arena.

Em meio às diferenças de apelo e chamarizes, procuramos classificar o tipo de visita promovida pelos doze maiores clubes do Brasil – mas Internacional, Santos e São Paulo infelizmente não nos responderam. O resultado foi o seguinte:

Fig 01
Clique para ampliar

*Os números de Fluminense e Botafogo se referem apenas ao final de 2015 (meio de novembro em diante)

Conforme já havia sido noticiado pela mídia, a grande campeã na temporada 2015 foi a Arena do Grêmio. Apesar de excelente, o número de 50 mil visitantes equivale ao total de pessoas recebidas pelo Maracanã em apenas um mês*. Segundo a Futebol Tour, que administra a visita à arena tricolor, apenas entre os dias 26 e 27/12 e 02 e 03/01/2016 (números não computados), 2,5 mil pessoas passaram pela Arena, um recorde.

*Informação corrigida

A segunda colocação (bem próximo do líder) ficou com o Tour do Allianz Parque, lar do Palmeiras. A vantagem alviverde é que as visitas só começaram no mês de março de 2015, o que presume uma média mensal quase igual à do Grêmio. Segundo a Futebol Tour, que também organiza o passeio palmeirense, o mês de julho foi o grande destaque, quando os ídolos Marcos, Ademir da Guia e Evair chegaram a atuar como “guias”. Com tantos atrativos, 8 mil visitantes passaram pela arena naquele mês. A expectativa é de que o número seja ainda maior em 2016, quando o Palmeiras disputa a Copa Libertadores e planeja novas ações com ídolos do clube.

O clube que completa a trindade administrada pela Futebol Tour é o Flamengo, no terceiro posto. O rubro-negro, por meio de sua Fla Experience, constitui o caso mais bem sucedido de visitas que não passam por um estádio – trata-se de uma sala de troféus com características híbridas às de um museu. Julho também foi mês de recorde, quando 2 mil pessoas passaram pelos salões do clube.  A seção interativa está se planejando de maneira especial para receber os turistas durante os Jogos Olímpicos Rio-2016.

As visitas à Cidade do Galo são exclusividade dos integrantes do programa “Galo na Veia”. Segundo o diretor de Comunicação do Atlético, Domênico Bhering, do total de cinco mil visitantes em 2015, três mil foram associados do projeto; outros mil vieram de escolas e instituições, além de mil conselheiros e seus familiares.

A partir de então, surgem os modestos números de Fluminense, Cruzeiro e Botafogo. Parte da explicação recai sobre o recorte limitado das informações referentes aos cariocas (apenas a partir de novembro), embora nossa apuração dê conta de que a média mensal de ambos pouco ultrapassasse os 400 visitantes. Já o Cruzeiro só organizou doze visitas VIP à Toca da Raposa, média uma por mês.

Por fim, para Corinthians e Vasco não houve visitações ao longo do ano de 2015. Para o primeiro, uma questão de tempo, dado o projeto já em processo de implementação. No caso do Vasco, como sempre, estamos diante de uma incógnita – posto que as visitas eram objeto de estudo por parte da diretoria de marketing afastada ao final da temporada.

E-mail da coluna: teoriadosjogos@globo.com

Siga @vpaiva_btj

Curtam o Blog Teoria dos Jogos no Facebook!

A Pesquisa da Vez: Volta Redonda (RJ) – EXCLUSIVO

Localidade: Volta Redonda (RJ)

Instituto: GPP (http://www.gpp.com.br/)

Amostra: 400 entrevistas em 19 de dezembro de 2015

Margem de erro: 4,9 p.p

Os dias dezenove e vinte e nove de dezembro de 2015 são históricos para o Blog Teoria dos Jogos. Tratam-se das datas em que mapeamos e divulgamos os resultados de um dos maiores sonhos deste blogueiro. Nascido há 33 anos na cidade de Volta Redonda, a 120 km da capital fluminense, são desnecessárias explicações sobre o porquê do desejo de pesquisar torcidas na “Cidade do Aço”. Local de onde, orgulhosamente, redijo estas palavras.

Indo além da importância econômica neste que é o berço da siderurgia nacional, Volta Redonda se mostra ainda a segunda cidade mais importante do estado do Rio numa abordagem futebolística. Tudo por conta do estádio Raulino de Oliveira. Durante o Campeonato Carioca, ele hospeda não apenas o Voltaço, time da casa, como um sem número de agremiações do interior, alijadas de mandarem partidas de maior porte em suas canchas. Mas não são apenas os pequenos. Basta acontecer algo com os grandes palcos da capital – como ocorrerá em 2016, com Maracanã e Engenhão entregues aos Jogos Olímpicos – e dá-lhe Estádio da Cidadania como válvula de escape. Não por acaso, trata-se do único estádio do interior a abrigar uma final do Estadual, em 2014, quando o Botafogo superou o Fluminense em solo voltarredondense.

Num resgate da parceria de maior sucesso da história do Blog, o Instituto GPP vem nos brindar com números exclusivos acerca da maior cidade da região Sul Fluminense:

Fig 01

 

De cara, já se pode taxá-los como surpreendentes. Não pela esmagadora maioria rubro-negra (42,9%), algo sabido e esperado, mas pelo absoluto equilíbrio entre Vasco (10,8%), Botafogo (10,6%) e Fluminense (8,6%). Quem é de Volta Redonda sabe que por aqui, a torcida cruzmaltina sempre se fez ouvida, especialmente em bares e conglomerados do bairro Aterrado, um dos centros da cidade. Mas desta vez, os números revelaram um interessante alinhamento com o quantitativo de botafoguenses. Nem mesmo os alvinegros esperariam este terceiro posto, dada a relevância da torcida tricolor na cidade.

Diante do exposto, dois pontos precisam ficar claros: 1) a margem de erro da pesquisa, de 4,9 pontos percentuais; 2) a fragilidade do “olhômetro” como método de pesquisa. Tendo isto claro, uma explicação para o ordenamento passaria pelo desalento dos vascaínos num estudo elaborado cerca de duas semanas após o terceiro rebaixamento em sete anos. O mesmo efeito, só que contrário, poderia ser atribuído à ascensão botafoguense, já que seus próprios adeptos se consideram os únicos a terminarem a temporada 2015 “em alta”. Outra estatística importante é a de 7,8% dos entrevistados que não responderam ao questionário. O material continha indagações de diversas outras naturezas, e o desalento pode ter impactado de maneira sintomática sobre a decisão voluntária dos vascaínos.

Uma segunda questão seria a não confirmação do crescimento paulista na cidade. Distante apenas 50 km do estado de São Paulo, Volta Redonda há algum anos se tornou um polo educacional que atrai muitos estudantes. Ainda que novamente o visual revele camisas forasteiras, o fato é que apenas Corinthians e Palmeiras foram citados, ambos abaixo de 0,5% das preferências.

Uma terceira e última abordagem se refere ao Volta Redonda, citado por míseros 0,4% dos habitantes. Em toda a região, o Tricolor de Aço nutre simpatias de “segundo time” que se “purificam” à medida com que bons resultados são colhidos – algo inexistente desde a era de ouro 2004-2006. De qualquer maneira, causa preocupação um número tão baixo de torcedores do Voltaço.

Por gênero e faixa etária:

Fig 02

A consolidação da Estrela Solitária na cidade se dá entre homens, faixa em que ultrapassam o Vasco (16,5% a 13%). Nesta, flamenguistas são 47,6% e tricolores, 10,1%. Se o Voltaço (0,9%) ainda assim não atinge a marca unitária, ele ao menos ultrapassa o número de corintianos no local. Apenas 7,6% dos homens não tem time, contra 26,9% de mulheres.

Já no recorte etário, o crescimento do Flamengo entre jovens de 16 a 24 anos – faixa onde sobe a 57,3% – não é tão expressivo quanto o verificado em outras cidades ou no próprio estado do Rio.  Ainda assim, o Rubro Negro é o único a ampliar sua base com a renovação das gerações, já que marca apenas 27,9% acima de 60 anos. Entre os idosos, a segunda torcida é a do Botafogo (14,8%) e a terceira é a do Fluminense (13,9%), tendo o Vasco apenas 6,4%. Todos os torcedores do Volta Redonda se encontram acima dos 45 anos. Os de times de fora, sempre abaixo dos 34.

Por escolaridade:

Fig 03

 

Embora sejam historicamente clubes de massa, tanto Flamengo quanto Vasco encontram seu maior quantitativo em meio a pessoas com 2º grau completo e superior incompleto (46,6% e 13,1%, respectivamente). Já Botafogo (16,6%) e Fluminense (12,2%) são maiores entre graduados em uma faculdade. Surpreende o percentual de botafoguenses entre aqueles com menos ensino formal: 15,3% dos que não possuem primeiros grau completo. Como sempre, quanto mais se estuda, mais se gosta de futebol: a evasão cai de 28,3% para 12,1%.

Por fim, o recorte de renda:

Fig 04

 

Embora reine absoluto em meio aos mais ricos (42,5%), é entre pobres que o Flamengo encontra maioria absoluta: 50,5% daqueles que ganham até um salário mínimo. A torcida vascaína é a que mais aumenta à medida com que se enriquece, saindo de 5% para 14% acima dos cinco salários mínimos. Curiosamente, tanto Botafogo quanto Fluminense encontram seu pico em escalas intermediárias de renda. Indo contra os prognósticos, apenas 6,5% dos tricolores desfrutam de maior poder aquisitivo em Volta Redonda.

FELIZ 2016!

E-mail da coluna: teoriadosjogos@globo.com

Siga @vpaiva_btj

Curtam o Blog Teoria dos Jogos no Facebook!

Por que o Flamengo não é um Corinthians?

Fig 01

Em fevereiro de 1982 – mês e ano de nascimento deste blogueiro – a revista Placar se saiu com uma de suas capas mais marcantes e polêmicas. Dirigida à época pelo corintianíssimo Juca Kfouri, a publicação questionou o porquê do clube tido e havido como “Flamengo paulista” se encontrar tão abaixo do original. Desestruturado, endividado e com provincianismos de um clube de colônia, o Corinthians chafurdava na Taça de Prata do Brasileirão (equivalente à atual Série B), enquanto o Mais Querido colhia os frutos de sua geração mais vitoriosa – incluindo os títulos da Libertadores e do Mundial, meses antes.

Só que nossa pergunta difere do “por que o Corinthians não é um Flamengo”, de três décadas atrás. A indagação é contrária.

Seria para tanto?

Decerto já houve momentos mais propícios para denotar a reversão de papéis entre os dois gigantes. Um período marcante, por exemplo, foi a temporada de 2005. À época, os do Parque São Jorge, fazendo valer a força de sua marca, atraíram investidores internacionais que culminaram na montagem de um verdadeiro esquadrão. Tal qual há uma semana, atletas de exceção como Tevez e Mascherano deram ao Timão o título Brasileiro daquele ano. Enquanto um Rubro Negro jogado às traças vivia da falta de credibilidade até mesmo para assinar um cheque. Os meses com mais de 90 dias geravam debandadas que fragilizavam o elenco, a ponto de o Flamengo terminar o Carioca na inacreditável oitava colocação. Não só: o time caiu nas oitavas da Copa do Brasil frente ao Ceará, lutando contra o rebaixamento no Brasileiro até as últimas rodadas.

Se hoje as coisas aparentam melhores – ao menos no tocante à catástrofe rubro-negra – por que então a indagação?

A resposta tem origem num panorama novo. Bem administrado após anos de falcatruas, o Flamengo vem fazendo valer seu peso no campo dos negócios. A partir de 2014, o Mengão assumiu a liderança do ranking de receitas e faturamento de marketing, mantendo-se no topo das audiências e das vendas de pay per view. Tais parâmetros, contudo, eclipsam uma intransponibilidade que impede a conversão de cifras em títulos.

Enquanto o Corinthians entra como favorito na maioria das competições, o Flamengo segue na condição de mero figurante em muitas delas – que o diga as duas últimas eliminações na primeira fase da Libertadores. Ao passo que o novo hexacampeão recheia sua sala de troféus, rubro-negros completarão dois anos sem nenhuma conquista.

Novamente: por quê?

Primeiramente, temos a questão da dívida: não basta ter a maior receita se o endividamento também for brutal. Embora a situação do Flamengo tenha melhorado – de inacreditáveis R$ 750 milhões para algo próximo a R$ 450 milhões – não restam dúvidas que a amortização teria apenas tirado o rubro-negro do leito de uma UTI. Longe de ter a “doença” curada, o Fla destina mais de R$ 10 milhões mensais ao pagamento de impostos e passivos diversos. Grosso modo, é como se o Corinthians arcasse com somente metade deste valor. Dinheiro que sobra limpo para investir no que mais importa ao torcedor: a montagem do elenco.

Vote no Blog Teoria dos Jogos no Prêmio Top Blog 2015

Em segundo lugar, uma questão abstrata chamada “cultura vencedora”, inerente aos que historicamente levaram a sério toda a ciranda do futebol, desde a revelação, passando pelas condições de trabalho e culminando na seriedade da busca pelos objetivos. A cultura vencedora está presente não apenas no Corinthians, mas na maioria dos paulistas – o que explica um São Paulo destroçado pelo maior rival e ainda assim dentro do G4. É ela que justifica os gaúchos sempre tão fortes, raramente vistos lutando por algo diferente do título. Em desenvolvimento também nos de Belo Horizonte, esta é a cultura que há décadas falta não só ao Flamengo, mas a todo o futebol carioca. Se neste período beliscaram conquistas, o fizeram pela grandeza das instituições, à revelia da seriedade com que Flamengos patricistas ou Vascos euriquistas trataram a coisa.

Por fim, e é lógico, existe um sem número de outros “detalhes”: infra estrutura (CTs de ponta e estádios próprios, escassos no Rio); credibilidade institucional (que resulta em mais negócios e maiores somas), etc.

Mas o fato é que nem dívida, nem cultura vencedora, nem infra estrutura ou credibilidade, nada se resgata do dia para a noite. Pelo contrário. São conquistas que levam anos, que dependem da implementação de um novo pensamento e da solidificação do profissionalismo. Algo impossível quando diretorias sérias não se sucedem.

Enquanto não germinarem as sementes plantadas pela atual gestão – seja com os atuais ou seus bons concorrentes – os flamenguistas seguirão desprovidos da satisfação de se verem à frente daqueles que, um dia, neles se espelharam. Já que no Corinthians, mesmo aos trancos e barrancos, o processo de resgate se iniciou ainda na década de 90.

O lado bom é que o Flamengo está, sim, no caminho certo. E mesmo diante do caos vivido há tão pouco tempo, em uma coisa ninguém será um Flamengo: na grandeza de sua torcida. Não é pouco, visto que o resgate passará de maneira indelével pelas mãos da Nação.

Um grande abraço e saudações!

E-mail da coluna: teoriadosjogos@globo.com

Siga @vpaiva_btj

Curtam o Blog Teoria dos Jogos no Facebook!

A Pesquisa da Vez: Uberlândia 2015

Localidade: Uberlândia/MG

Instituto: PS Marketing

Amostra: 400 entrevistas, entre 11 e 12 de março de 2015

Margem de erro: 5 p.p

De um tempo para cá, Uberlândia se tornou a cidade brasileira mais frequentemente mapeada no tocante a suas torcidas. Tudo começou em 2008, numa pesquisa elaborada pelo Instituto Veritá e publicada pelo antigo Blog Teoria dos Jogos (do Globoesporte.com). Depois, veio a “era” do instituto PS Marketing. Eles fizeram um estudo em 2011 e outro em 2014, já repercutidos neste espaço. Pouco mais de seis meses depois, voltaram à carga.

Ao contrário dos anos anteriores, desta vez a PS Marketing abriu os recortes por sexo, idade, renda e escolaridade. Mas o que seria boa notícia, infelizmente se tornou motivo de frustração. Tudo por conta da incapacidade do instituto de compilar e analisar suas próprias informações.

Outro esclarecimento importante é que em lugar algum as torcidas se modificam com o passar de meses. Por conta disto, modificações pontuais podem e devem ser atribuídas a movimentos dentro da margem de erro – em se tratando de nada desprezíveis cinco pontos percentuais.

Dito isto, vamos à atualização do perfil da segunda maior cidade do estado de Minas:

Fig 01

O Flamengo nada de braçadas na cidade, apresentando percentual (20%) que representa o dobro da segunda maior torcida, a do Corinthians (10%). Dentro das flutuações de margem de erro descritas, curioso notar que as duas maiores torcidas verificaram quedas idênticas – na casa de três pontos percentuais – desde o ano anterior. O Cruzeiro segue como terceiro maior (8%) e o São Paulo é quarto (7%). Em seguida temos Vasco (6%), Palmeiras (5%), Atlético-MG (4%), Santos (2,5%) e Uberlândia (1,25%). Todas as demais agremiações não ultrapassam a marca unitária. Indivíduos sem time somam importantes 31%.

Por gênero:

Fig 02

Entre os principais consumidores de futebol (indivíduos do sexo masculino) o Flamengo é ainda maior em Uberlândia, monopolizando 22% das preferências. Ainda entre eles, São Paulo e Vasco saltam a 9%, ultrapassando o Cruzeiro (8%) e se equiparando ao próprio Corinthians. O time paulista, aliás, é o único com maioria feminina (10%), algo há muito verificado em nossas análises. Em meio a elas, vascaínas são apenas 2%, um impressionante desequilíbrio de gênero da torcida cruzmaltina. Outro dado importante é a rejeição do futebol entre mulheres em escala duplicada: 42% das uberlandenses do sexo feminino não possuem time, contra 21% dos homens.

Por idade:

Fig 03

Uma das informações mais importantes em análises desta natureza, o perfil das torcidas por faixa etária foi onde a PS Marketing mais pisou na bola – o que denota que nem mesmo pesquisadores sabem lidar com números por eles produzidos. Percebam que na faixa mais jovem, Corinthians e Cruzeiro destoam, cada um com 33% das preferências. Com 17% – exatamente a metade – vem o São Paulo, e só então surge o Flamengo, com 8% (metade da metade). Nas faixas seguintes a coisa muda de figura, com o Flamengo tomando a dianteira inclusive entre jovens. O que teria acontecido?

Vote no Blog Teoria dos Jogos no Prêmio Top Blog 2015

O problema começa pelo número excessivo de faixas, sete, algo demasiado em se tratando de uma pesquisa com baixo número de entrevistados. Se dentro de cada faixa a margem de erro é explosivamente maior, o que dizer do primeiro recorte – que inclui entrevistados com idade entre 16 a 17 anos? Enquanto os demais contemplam toda uma geração, com intervalos de oito a dez anos, pouquíssimos foram ouvidos numa faixa (16-17) que representa cerca de 3% da população brasileira. Assim, é praticamente certo que tenham sido apenas doze indivíduos: quatro corintianos e cruzeirenses, dois são paulinos, um flamenguista e um “nenhum”. Infelizmente, nada se pode auferir num universo tão restrito. E o instituto deveria saber disto.

Analisando as demais faixas, flamenguistas são maioria entre jovens e adultos, mas atingem o ápice (31%) entre 36 a 45 anos – a tão falada “era Zico”. O Corinthians cresce à medida com que rejuvenesce, saindo de 3% em meio a idosos para 14% entre 18 e 25 anos. O Cruzeiro é a segunda maior torcida dos 46 aos 55 anos (12%), o São Paulo é vice de 26 a 35 (14%) e o Palmeiras é terceiro entre 56 e 65 anos (8%). De maneira surpreendente, a supremacia acima dos 65 pertence ao Vasco, com 10% das preferências.

Por escolaridade e classes sociais, mais equívocos:

Fig 04

O instituto não explica a diferença entre Fundamental I e II, assim como não diz qual o nível de renda associado a cada uma das (novamente excessivas) classes sociais. O mesmo erro cometido nas faixas etárias pode ser verificado, já que na classe A1, apenas Flamengo, São Paulo e Nenhum aparecem com citações – denotando outro recorte minimalista.

Podendo se auferir tão pouco, o Blog Teoria dos Jogos espera que o instituto PS Marketing melhore suas análises, sob pena de desperdiçar estatísticas tão valiosas.

Um grande abraço e saudações!

E-mail da coluna: teoriadosjogos@globo.com

Siga @vpaiva_btj

Curtam o Blog Teoria dos Jogos no Facebook!

Públicos do Brasileirão: Corinthians mira o Fla em 2015 e no geral

Sábado passado, o Corinthians viveu novamente uma situação que vem se tornando corriqueira: a quebra do recorde de público em sua arena. Na complicada vitória sobre o Coritiba, foram 43.688 pagantes em Itaquera, proporcionando renda de R$ 2.772.735,50 (ingresso médio: R$ 63). Se a vitória o deixou próximo de erguer a troféu de campeão brasileiro, o total registrado proporcionou a iminência de outro título, este simbólico: o de campeão de público no Brasileirão 2015.

A situação não aconteceria naturalmente, mas como fruto da derrocada do atual líder nas arquibancadas. Desmotivada após a péssima sequência, a torcida do Flamengo deixou de fazer sua parte na vitória sobre o Goiás: apenas 12.634 pagantes compareceram ao Maracanã. Com isto, sua média de público caiu a 33.020 pagantes por jogo, enquanto a do Corinthians se elevou a 32.969. Diferença de meros 51 torcedores.

Sendo assim, é bastante provável que o Timão ultrapasse o Mengão já na 36ª rodada – quando ambos voltam a jogar em casa, A diferença é que o Corinthians jogará ou pelo título, ou para carimbar a faixa de campeão conquistada uma rodada antes. Isto em pleno Majestoso, o confronto diante do São Paulo. Já um Flamengo praticamente sem pretensões medirá forças contra a Ponte Preta, em outra provável tarde de Maracanã vazio.

Vote no Blog Teoria dos Jogos no Prêmio Top Blog 2015

Para o Corinthians, ultrapassar o Flamengo em 2015 faz parte de um projeto maior. Desde o início do Campeonato Brasileiro como o conhecemos (1971), foi o rubro-negro quem ocupou mais vezes a condição de líder de público. Em doze oportunidades, o Fla sobrou nas arquibancadas, enquanto o Corinthians o fez em oito. Nas cabeças em 2015, os paulistas igualariam outro alvinegro, histórico campeão de públicos: o Atlético-MG, nove vezes líder neste quesito.

Fig 01
Fonte: Wikipedia

A grande questão é que, após dominar o cenário na década de 80, quando liderou o ranking por sete anos, a torcida do Flamengo só voltou a se impor no final da década de 2000 – período compreendido entre 2007 e 2009. De lá pra cá foi o Corinthians quem liderou consecutivamente (2010-2012), esboçando seu retorno após uma breve hegemonia cruzeirense.

Maior torcida do maior e mais rico estado brasileiro – e dono de uma arena própria – basta ao Corinthians colocar 919 torcedores a mais do que o Flamengo daqui a duas rodadas. Para o Fla, maior torcida do Brasil, cabe motivar os adeptos sabe-se lá como, igualando os 44 mil torcedores a serem colocados pelos rivais nos dois próximos jogos em casa. Vender mandos de campo não ajudaria, já que além da falta de motivação, são poucas as arenas com capacidade suficiente para o objetivo do Flamengo marcar presença em pleno ano de título brasileiro corintiano.

Assim, pode-se dizer de antemão que o Brasil novamente se curvará diante da festa da Fiel nas arquibancadas.

Ou não?

Um grande abraço e saudações!

E-mail da coluna: teoriadosjogos@globo.com

Siga @vpaiva_btj

Curtam o Blog Teoria dos Jogos no Facebook!

Match Day: a experiência no Business Lounge da Arena Corinthians

Conforme anunciado há alguns dias, o Blog Teoria dos Jogos inaugurou domingo sua série de análises das experiências prime nos estádios paulistanos. A escolhida foi a Arena Corinthians, a convite da própria (a quem muito agradecemos), durante a partida Corinthians x Flamengo. Nossa presença se deu no Business Lounge e em seus camarotes corporativos, mas a empreitada começou muito antes.

Embora a informação esteja presente nas redes sociais, quase ninguém sabe: este blogueiro reside na cidade de São Paulo. Conhecimento que facilita na escolha de opções além das composições da CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos). A propósito, caso esta tivesse sido utilizada, não haveria qualquer reclamação além dos normalíssimos vagões lotados numa tarde de público recorde.

Vote no Blog Teoria dos Jogos no Prêmio Top Blog 2015

Trens, ônibus e metrô chegam até o estádio de Itaquera suprindo de maneira bastante satisfatória a demanda dos torcedores. A estação intermodal é grande e acoplada a um shopping center com todos os estabelecimentos que se necessita. Há desde opções de alimentação criativas (como o quiosque que ofereceu cachorro quente nas cores dos países durante a Copa) até um pujante e popularesco comércio de bebidas, espetinhos e produtos pirata na saída da estação Corinthians-Itaquera.

Fig 01

Fig 02

Fig 03

Nossa escolha foi chegar de carro, algo que aparentava desafiador. Primeiro pela enorme distância das zonas sul e oeste a um estádio localizado quase no extremo leste da capital. Segundo, pelo excesso de afunilamentos da Radial Leste: uma das principais vias arteriais de São Paulo se transforma depois do bairro do Tatuapé. As pouquíssimas faixas de rolamento e o trânsito engarrafado presumem um verdadeiro tormento em partidas durante a semana. Por fim, pelo preço dos estacionamentos no entorno: entre R$ 40 e R$ 60.

Fig 04

Fig 05

Eis que, após muito frio nos “alpes” de Itaquera,  e de longa caminhada num percurso que parecia mais curto, chegamos à imponente Arena Corinthians.

Fig 06

Como tudo que envolve o clube, o formato do estádio já é razão pra inúmeras controvérsias. Desde “caixa de sapato” até “impressora”, só existe espaço para elogios ao seu visual em meio à própria torcida corintiana. Seara delicada, já que preferências são absolutamente pessoais e enviesadas ao sabor do clubismo. Particularmente, acho melhores estádios com arquibancada “fechada”. Mas num país de arenas pasteurizadas e poucas inovações arquitetônicas, a Arena Corinthians surge, sim, como um sopro de diferenciação. Elevado a inúmeras potências pelo primor de seus materiais, como veremos adiante.

Independente do bom funcionamento da logística de transportes, o fato é que a má localização da Arena Corinthians passa longe de fomentar negócios. Ao contrário de outras arenas que podem explorar comercialmente seu entorno (como no caso do Beira Rio), os anexos na parte exterior são apenas a ouvidoria e o balcão de informações para associados (vazios, para um clube com mais de 100 mil sócios-torcedores). Há também uma mega loja “Poderoso Timão” até hoje não inaugurada, mesmo na iminência da conquista do sexto título nacional.

Fig 07

Fig 08

Chegando ao hall que direciona aos camarotes, um baque. Nenhuma arena no Brasil sequer se aproxima da suntuosidade da Arena Corinthians. O requinte dos mármores dispostos até onde se enxerga compõe um visual extraordinário com o campo aberto do vão central, as escadas rolantes e o monumental (e gigantesco) escudo prateado, verdadeiro ponto de peregrinação local.

Fig 09

Fig 10

Fig 11

Fig 12

Finalmente o Business Lounge, um confortável espaço com mesas, cadeiras, sofás e até um DJ. O bufê, da melhor qualidade, incluía alimentação completa (bebidas, prato principal e sobremesas). Nos banheiros, projetores divulgavam a agência de turismo oficial nos espelhos, numa jogada moderna e diferenciada. A partida também era projetada ao vivo, em contraste com a falta de televisores na parte interna do espaço.

Fig 13

Fig 14

Fig 15

Acessando a arquibancada, assentos confortáveis e um excelente visual – embora não tão próximos do campo. Curiosamente, percebeu-se uma mudança no comportamento padrão da torcida corintiana, aflita e um tanto calada ao longo da maior parte do jogo. Talvez pela tensão do reencontro com o antigo ídolo Guerrero,  elas apenas reagiram aos acontecimentos, liberando cânticos pela vitória após os 45 minutos do segundo tempo.

Fig 16

Fig 17

Fig 18

Fig 19

Depois do jogo, uma visita aos camarotes corporativos, que aliam o mesmo padrão de excelência com uma experiência um pouco mais exclusiva. Neste espaço, as cadeiras são verdadeiras poltronas e o jogo pode ser assistido de dentro do lounge, benefício que nem todos os estádios pensaram (p.ex: Maracanã) .

Fig 20

Fig 21

Fig 22

Ao final, os vidros curvos da arena reluziam em agradecimento à presença dos 43.505 pagantes.

Fig 23

Se soa pretensiosa a afirmação de que a Arena Corinthians seria a melhor do Brasil, a visita à sua área nobre rompe paradigmas no tocante à série de análises que o Blog Teoria dos Jogos vem realizando. No intuito de comparar apenas setores equivalentes, planejamos passagens pelos camarotes do Allianz Parque e do Morumbi, sem fugir do veredito de qual é o melhor. Outras arenas, bem como suas estruturas convencionais, voltarão à cena em breve. Fiquem de olho!

Um grande abraço e saudações!

E-mail da coluna: teoriadosjogos@globo.com

Siga @vpaiva_btj

Curtam o Blog Teoria dos Jogos no Facebook!

Análise: O Mapa das Curtidas – Minas Gerais

Após nos debruçarmos sobre dois dos três estados mais plurais em termos de torcidas – Santa Catarina e Paraná – chegou a vez de desembarcar no último vértice deste triângulo. Trata-se de Minas Gerais, quarta maior unidade federativa e segunda mais populosa do Brasil. Um dos berços do país como o conhecemos, cuja diversidade cultural e étnica denota à perfeição nossos contrastes, mazelas e as próprias preferências clubísticas.

Fig 01

De acordo com as curtidas no Facebook, Minas surge como enorme mancha azul celeste no centro do Brasil: Entre seus 853 municípios, 561 são de maioria cruzeirense. Embora faça frente ao Cruzeiro em muitos lugares, em nenhum o Atlético-MG se mostra acima do arquirrival, uma situação inesperada. Em território mineiro, inimigos íntimos são mesmo Flamengo e Corinthians. O rubro-negro predomina nas regiões da Zona da Mata (divisa com o Rio) e onde o Triângulo Mineiro “toca” o estado de Goiás – além de cidades esporádicas nos limites com Espírito Santo e Bahia. Já os corintianos são hegemônicos no Sul de Minas, no Triângulo “paulista” (divisa com São Paulo e Mato Grosso do Sul), além de duas pequenas cidades em pleno Vale do Jequitinhonha.

Um olhar mais apurado sobre Cruzeiro e Atlético:

Fig 02

A diferença entre os arquirrivais é tão flagrante quanto o Blog Teoria dos Jogos sempre sugeriu. Em recente entrevista ao site ESPN FC, este blogueiro afirmou que em Minas, “time do povo” seria o Cruzeiro – especialmente no interior, região onde o equilíbrio se dissiparia em favor do universo estrelado. Situação mais que evidente ao analisarmos o Mapa das Curtidas.

Com exceção das extremidades flamenguistas e corintianas, a torcida do Cruzeiro está presente ou na liderança em quase todas as regiões. Mais: pode-se dizer que o azul celeste transporta fronteiras, verificado em pequenas cidades do outro lado das divisas (Goiás, Espírito Santo e até Bahia). O mesmo não se pode dizer do Galo, restrito a Minas e, em muitos casos, relegado à terceira importância. Curiosamente, o Atlético é curtido em 100% dos 5.564 municípios brasileiros. Em cinco deles, o Cruzeiro não se viu agraciado.

Quanto aos times paulistas:

Fig 03

O nível de difusão da torcida do Corinthians pelo estado de Minas talvez represente uma das grandes surpresas do Mapa das Curtidas do Globoesporte. Os alvinegros só se veem alijados na “meiuca” da região metropolitana de BH, sendo fortemente representados até onde o Flamengo está ausente (Norte de Minas). Em todas as partes, o Timão traz consigo outro grande antagonista: o São Paulo. Em paleta de cores mais suavizada, o Tricolor Paulista se percebe em quase todas as mesorregiões onde há corintianos. O mesmo não se pode dizer de palmeirenses e santistas: O Verdão é terceiro e o Peixe quarto somente em determinadas cidades do Sul e do Triângulo.

Já os times do Rio:

Fig 04

A característica mineira do Mengão é clara. Sua torcida domina as áreas em que o estado faz divisa com outros de maioria rubro-negra. É assim na Zona da Mata (divisa com o próprio Rio), na Triângulo (fronteiriço a Goiás) e nas regiões do Vale do Rio Doce, Mucuri e Jequitinhonha, próximas à Bahia. Adentrou, perdeu. No zonal interior, o Flamengo não só perde espaço para Cruzeiro e Atlético como para o próprio Corinthians.

Quanto aos demais cariocas, estes não correspondem às expectativas – ao menos pelo Facebook. Vasco e Botafogo só aparecem na Zona da Mata, além dos cruzmaltinos em pequenos municípios do Triângulo. O Fluminense, nem isso. Outra grande revelação do “Mapa” foi justamente a distância entre os quase inexistentes tricolores e os representativos botafoguenses na região da Mata. Enquanto o Botafogo detém a segunda torcida em nove municípios (entre eles a importantíssima Juiz de Fora), o Flu é no máximo terceiro em quatro – destaque para Além Paraíba.

O que faltaria para o “Mapa” se tornar pesquisa? Além de ampliar a amostragem na direção de pobres e idosos, necessário seria contemplar o percentual dos que não torcem por time algum. Enquanto a primeira premissa apenas se soluciona através de pesquisas científicas, a segunda foi abordada num exercício pelo leitor Paulo Henrique Salles. Ele planilhou os percentuais das quatro principais torcidas nos 20 maiores municípios mineiros – que respondem por 40% da população. Depois, considerou que 70% da população torça por alguém, projetando conservadora margem de 30% para o “Nenhum”. Daí, auferiu qual seria o tamanho exato dos rivais caso o resto do estado tivesse o mesmo perfil das cidades selecionadas. Eis o resultado:

Fig 05
Clique para ampliar

Com base nos critérios descritos, a torcida do Cruzeiro representaria 26,48% da população de Minas Gerais, frente a 18,64% do Atlético-MG, 6,81% do Flamengo e 5,17% do Corinthians. Panorama absolutamente fiel ao demonstrado por pesquisas sérias no estado.

Um grande abraço e saudações!

E-mail da coluna: teoriadosjogos@globo.com

Siga @vpaiva_btj

Curtam o Blog Teoria dos Jogos no Facebook!